quinta-feira, 27 de janeiro de 2022

DMCard compensa emissões de carbono em parceria com a Moss

Com 100% da compensação de gases emitidos pelas atividades administrativas, grupo de produtos financeiros conservará quase 4 mil árvores do bioma amazônico


A Moss, climatech pioneira e líder global na comercialização de créditos de carbono em blockchain, fez a compensação de 100% das emissões de carbono das atividades administrativas de 2021 da DMCard, grupo de produtos financeiros voltados para a concessão de crédito. Com isso, 3.967 árvores da floresta amazônica serão preservadas.

Esse cálculo é feito a partir de um diagnóstico do resultado direto e indireto das emissões de gases de efeito estufa das operações de uma companhia (consumo de energia elétrica, geração de vapor, calor ou refrigeração, por exemplo), avaliadas de acordo com o GHG Protocol (Greenhouse Gas Control) e seguindo determinações do Protocolo de Kyoto. No caso da DMCard, o diagnóstico realizado pela Moss sobre o impacto ambiental das atividades administrativas da empresa, que levou em consideração índices de consumo e emissão nacionais, revelou que foram emitidas 632 toneladas de CO2e.

A partir desse estudo, a compensação acontece de maneira equivalente com o crédito de carbono da Moss, o MCO2 Token - primeiro ativo digital verde verdadeiramente global lastreado em blockchain e que está vinculado a um crédito de carbono. Cada criptoativo corresponde a uma tonelada de gás carbônico que deixa de ser emitida na atmosfera em projetos de conservação da Amazônia.

“A Moss criou uma tecnologia que permitiu democratizar o acesso ao crédito de carbono tanto para empresas como para pessoas com consciência ecológica. Nunca foi tão fácil e seguro investir em projetos de preservação na Amazônia. Parcerias como essa fortalecem o propósito da Moss de combater o desmatamento e gerar impacto socioambiental positivo”, comenta Luis Adaime, fundador e CEO da Moss.

Os tokens compensados pela DMCard beneficiarão todos os projetos parceiros da Moss (Agrocortex, Ituxi, Santa Maria e Madre de Dios).

“Esta iniciativa faz parte do movimento de ESG que a DMCard iniciou em 2021 e que irá estender ano após ano. Nosso propósito é ampliar o acesso de toda população brasileira aos produtos financeiros, como o crédito, de modo sustentável, em todos os aspectos”, explica Fernando Oliveira, Diretor de TI da DMCard.

Vale destacar que a DMCard conquistou, com essa iniciativa, o selo Carbon Neutral. Isso significa que a empresa promoveu a compensação de todas as emissões de CO2 de um determinado ano.

Projetos apoiados pela Moss - Santa Maria, Madre de Dios, Agrocortex e Ituxi são projetos apoiados pela Moss e que impactam positivamente na conservação das Florestas da Amazônia e com o desenvolvimento social e econômico das comunidades locais.

Os projetos fornecedores de crédito de carbono passam por um processo de alta diligência - onde são visitados, investigados e analisados - além de serem certificados pela VERRA (maior e mais importante órgão de certificação do mercado voluntário global). A Moss foca na Amazônia porque esse é o maior ativo que a humanidade tem, e sua preservação é fundamental para o enfrentamento da crise climática.

Desde que entrou em operação, em 2020, a Moss já transacionou mais de 100 milhões de reais que ajudaram a conservar, aproximadamente, 735 milhões de árvores na Amazônia.


quarta-feira, 26 de janeiro de 2022

Projeto Legado completa 10 anos e lança vagas inéditas para iniciativas sociais da Amazônia e Mata Atlântica




Programa busca iniciativas de impacto socioambientais em todo o Brasil e oferece aos empreendedores sociais um ano de capacitação e mentorias, além da possibilidade de receberem o investimento de R$ 10 mil; Inscrições encerram em 13 de fevereiro

2022 será um ano especial para o Projeto Legado. Completando 10 anos de impacto, o programa já acelerou mais de 270 iniciativas socioambientais de todas as regiões do país e, nesta 10a. edição, traz novidades: das 40 vagas ofertadas, 20 serão destinadas para projetos ambientais, focados exclusivamente na Amazônia e na Mata Atlântica, e as outras 20 para iniciativas sociais.

“Dentre os muitos desafios que a humanidade deve enfrentar, a questão ecológica torna-se cada vez mais emergente porque os impactos sobre os seres humanos do desequilíbrio ambiental serão incalculáveis. Nesse cenário entendemos que dois grandes biomas do Brasil, Mata Atlântica e Amazônia, demandam, nesse momento, atenção especial dos empreendedores sociais”, explica James Marins, presidente do Instituto Legado.

Os projetos concorrem ao prêmio de R$10 mil, anunciado no Prêmio Legado de Empreendedorismo Social, que acontece ao final do processo, em uma cerimônia de comemoração após uma série de bancas de avaliação. Já passaram pelo Projeto Legado organizações e negócios sociais como ASID Brasil, Instituto Unidos pela Vida, Elo Apoio Social e Ambiental, Olha o Peixe, Vida Priori, APAE Curitiba, Badu Design, LINEAP, TETO Brasil, e muitos outros.

As 40 iniciativas de impacto selecionadas terão acesso a uma maratona de capacitações e mentorias, que tem início previsto a partir de março. “Em 2012, quando o Instituto Legado ainda dava seus primeiros passos para tornar-se uma referência no ecossistema de empreendedorismo social, surgiu a ideia de um projeto que impulsionasse iniciativas sociais da região. O Projeto Legado teve sua primeira edição um ano depois, em 2013, com a participação de 18 organizações e negócios sociais. De lá para cá, foram mais de 270 iniciativas atendidas e, principalmente, inúmeras histórias de impacto que passaram pela nossa trajetória”, lembra Ágatha Rocha, facilitadora de impacto do Instituto Legado.

O Projeto Legado, que inicialmente atendia organizações de Curitiba e região metropolitana, já envolveu iniciativas de diversos outros estados, como Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, entre outros. “A cada edição são novos aprendizados, esperança e a certeza de que estamos no caminho certo, que os problemas sociais e ambientais têm soluções - afinal conhecemos quem está transformando dia a dia, nosso país e mundo num lugar melhor a partir da diversidade, da inclusão e da ecologia. Com o Projeto, empreendedores sociais alcançam os melhores resultados de suas atividades transformadoras através de ferramentas e na conexão de impacto. O propósito intrínseco desses sonhadores práticos, obstinados e ousados que impulsiona o Movimento Transformador Massivo”, complementa Ágatha.

O que é o Projeto Legado?

O Projeto Legado é um programa de aceleração gratuito, promovido pelo Instituto Legado, que oferece a empreendedores sociais de todo o país um ano de capacitação e mentorias, em áreas como modelagem de negócios sociais, aspectos jurídicos, gestão e planejamento, sustentabilidade financeira, comunicação e marketing, elaboração de pitch, inteligência emocional, entre outros.

Com metodologia exclusiva do Instituto Legado, o conteúdo programático é estruturado a partir do DNA do Empreendedor Social - conceito desenvolvido pelo presidente da instituição, James Marins, em seu último livro: A Era do Impacto. O método tem como pilares as dimensões propósito, inovação e atitude. O objetivo é oferecer a negócios e instituições que atuam em causas sociais e ambientais ferramentas de gestão e uma rede colaborativa para impulsionar as ideias, consolidar a sustentabilidade financeira e expandir o impacto positivo que geram na sociedade.

Como se inscrever?

Assim como na edição de 2021, a 10ª edição do Projeto Legado será 100% on-line, oferecendo oportunidades para iniciativas sociais e ambientais de todo o país. Para se inscrever é preciso que os interessados estejam atuantes em suas comunidades há pelo menos um ano, mas não há exigência de formalização jurídica dos projetos. O pré-requisito mais importante do edital é o propósito de geração de impacto social ou ambiental positivo. São aceitas propostas de todo território brasileiro. Serão vetadas inscrições vinculadas ao poder público ou partidos políticos.

As inscrições podem ser realizadas entre 14 de janeiro e 13 de fevereiro, pelo link https://institutolegado.org/aceleracao/projeto-legado/ No portal, é possível baixar o edital completo e acessar os critérios de seleção.



Sobre o Instituto Legado

O Instituto Legado de Empreendedorismo Social foi criado para impulsionar o Movimento Transformador Massivo por meio do Empreendedorismo Social. Por Movimento Transformador Massivo, entende-se o movimento de transformação da Liberdade, das Novas Economias, dos Empreendedores Sociais e da Consciência da Humanidade. Oferece educação formal, programas de aceleração e oportunidades estratégicas para fortalecer, desenvolver e conectar agentes de transformação com atuação socioambiental. Saiba mais em www.institutolegado.org.

terça-feira, 25 de janeiro de 2022

Depois de 3 anos do desastre em Brumadinho, extinção de barragens a montante segue a passos lentos



Hoje, 25 de janeiro, marca os três anos de um dos maiores desastres da história da mineração: o rompimento da Barragem B1, da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Para a Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil (AMIG), mesmo depois de 1.095 dias do ocorrido, lições ainda não foram totalmente aprendidas.


As medidas de descomissionamento das barragens a montante (como era a de Brumadinho) seguem a passos lentos. Apesar da publicação da resolução da Agência Nacional de Mineração (ANM) no Diário Oficial da União (DOU) em 2019, que proibiu a utilização do método de construção ou alteamento de barragens de rejeitos de mineração a montante em todo o território nacional, o Brasil encerrou 2021 com 40 barragens em nível de emergência. Apenas sete a menos do registrado no fim do ano anterior, segundo boletim da agência.


Das estruturas, três estão em "nível 3", classificação de situação de "ruptura iminente ou em curso". E o mais assustador é que elas estão situadas em Minas Gerais e também pertencem à mineradora Vale: B3/B4 (Nova Lima), Forquilha III (Ouro Preto) e Sul Superior (Barão de Cocais).


Para a AMIG, o modelo de mineração a seco deve ser referência para todas as mineradoras do Brasil. "A tecnologia a montante possui um custo menor, em comparação com outros sistemas, mas apresenta maior risco de segurança, porque suas paredes são construídas sobre uma base de rejeitos, em vez de em material externo ou em terra firme. Isso traz insegurança para a operação, para o meio ambiente e para a vizinhança", explica o consultor de relações institucionais da AMIG, Waldir Salvador,


Menos impunidade, mais fiscalização

A AMIG destaca que diversas questões ainda pairam no ar, especialmente em relação à responsabilização civil, administrativa e penal tanto das pessoas físicas quanto das pessoas jurídicas envolvidas na tragédia. "Não podemos mais ter uma mineração realizada por empresas que não informam sobre os seus processos à população, aos governos federal, Estaduais e municipais, e que não legitimam seus processos junto a ANM. Falta transparência interna e externa. Se não houver essa mudança, não vale mais a pena continuar com a mineração, a exemplo dos acidentes de Mariana e Brumadinho", afirma Waldir Salvador.


No dia 27 de janeiro, a AMIG vai realizar um encontro com representantes da ANM para discutir a situação das barragens nos municípios brasileiros. "A ANM vai nos passar o status de segurança de barragens dos municípios associados. A partir daí, juntos, vamos estruturar um plano de ação para exigir do Legislativo regulamentação e melhoria da fiscalização de barragens, assim como o fortalecimento da ANM, o que é essencial para a manutenção da atividade minerária", enfatiza

Instituto Jô Clemente expande o serviço de inclusão profissional pelo Brasil



Por meio de parcerias com empresas e com o poder público, a Organização realizou a inclusão de 31 pessoas com deficiência fora da cidade de São Paulo em 2021


Em 2021, o Instituto Jô Clemente (IJC), antiga Apae de São Paulo, expandiu o seu Serviço de Inclusão Profissional para pessoas com deficiência em diferentes regiões do Brasil. Por meio de parcerias com empresas e com o poder público, ao longo do ano a Organização realizou a inclusão de 31 pessoas em novos postos de trabalho em seis cidades fora da capital paulista: Campinas (SP), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ), Registro (SP) e Santarém (PA).

No último ano, a Instituição assumiu a responsabilidade de implementar a metodologia do Emprego Apoiado no Polo de Empregabilidade Inclusiva (PEI) do município de Registro, no Vale do Ribeira, em São Paulo, por meio de parceria com a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência na expansão do Programa Estadual Meu Emprego Inclusivo. Desde a inauguração, foram realizadas seis inclusões profissionais de pessoas com deficiência.


Segundo o executivo de Negócios Sociais do Instituto Jô Clemente, Flávio Gonzalez, “a inclusão profissional de pessoas com deficiência é um desafio, pois infelizmente ainda existe muito preconceito e falta de informação acerca desta significativa parcela da população, que, embora represente 24,5% dos cidadãos do país (de acordo com o Censo 2010 do IBGE), ocupam apenas 1% dos empregos formais”.


O Instituto Jô Clemente utiliza desde 2013 a metodologia do Emprego Apoiado, adotada em diversos países, para enfrentar esta desigualdade e ampliar a inclusão laboral. Gonzalez explica que “nas empresas, realizamos um trabalho com o objetivo de criar uma cultura de valorização da diversidade e, por outro lado, como conhecemos de perto cada pessoa apta a trabalhar, conseguimos identificar seus pontos fortes, interesses e necessidades de apoio”. O IJC oferece capacitação antes e depois da inclusão, de acordo com as características individuais de cada jovem ou adulto incluído. "Desde que implementamos esta metodologia, já realizamos cerca de 3.000 inclusões em mais de 50 empresas e órgãos públicos”, completa.


Atualmente, o Instituto Jô Clemente realiza a inclusão de pessoas com diferentes tipos de deficiência. Mesmo em um cenário delicado de pandemia, em 2020, a Organização conquistou a inclusão de 345 jovens e adultos em novos postos de trabalho. Nos últimos anos, a taxa de retenção destas pessoas tem sido de 90%. Em 2020, com a pandemia, em um trabalho conjunto com as empresas, foi possível adaptar as vagas ao sistema home-office, o que auxilia na inclusão, já que as pessoas com deficiência intelectual também pertencem ao grupo de risco para a covid-19.


Sobre o Instituto Jô Clemente


O Instituto Jô Clemente é uma Organização da Sociedade Civil sem fins lucrativos que há 60 anos previne e promove a saúde das pessoas com deficiência intelectual, além de apoiar a sua inclusão social e a defesa de seus direitos, produzindo e disseminando conhecimento. Atua desde o nascimento ao processo de envelhecimento, propiciando o desenvolvimento de habilidades e potencialidades que favoreçam a escolaridade e o emprego apoiado, além de oferecer assessoria jurídica às famílias acerca dos direitos das pessoas com deficiência intelectual. Pioneiro no Teste do Pezinho no Brasil e credenciado pelo Ministério da Saúde como Serviço de Referência em Triagem Neonatal, o Laboratório do Instituto Jô Clemente é o maior do Brasil em número de exames realizados e oferece, atualmente, o Teste do Pezinho Ampliado na rede pública do município de São Paulo, contemplando o diagnóstico precoce de até 50 doenças, incluindo dezenas de condições raras. Por meio do CEPI - Centro de Ensino, Pesquisa e Inovação do Instituto Jô Clemente, a Organização gera e dissemina conhecimento científico sobre deficiência intelectual com pesquisas e cursos de formação.  Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 5080-7000 ou pelo Site do IJC.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2022

Para incentivar a reciclagem, Ambev e Triciclo-Ambipar instalam máquinas por São Paulo para troca de embalagens por serviços e créditos

As novas instalações se dão em locais de fácil acesso ao público e de movimentação grande, concedidos pela EMTU, ViaQuatro e Rede Duque, em prol da sustentabilidade


Já imaginou se embalagens recicláveis que seriam descartadas pudessem ser revertidas em recarga de vale transporte e celular pré-pago, bônus na fatura de energia elétrica ou desconto em livrarias? A Ambev e a Triciclo, vinculada ao Grupo Ambipar, instalaram 10 máquinas na cidade de São Paulo, conhecidas como Retorna Machine, para depósito de embalagens pós-consumo, a partir de um programa de fidelidade e recompensa.

Para participar, é necessário criar uma conta digital Triciclo, de maneira gratuita, pelo site www.triciclo.eco.br ou pelo aplicativo Triciclo (iOS e Android). Depois, basta depositar as embalagens na máquina para começar a pontuar e receber tricoins, os pontos de troca dos benefícios. A Retorna Machine recolhe todos os tipos de materiais recicláveis como plástico, vidro, alumínio, aço e embalagens longa vida.


As máquinas Retorna Machine podem ser encontradas nos terminais metropolitanos Jabaquara, Diadema, Piraporinha, São Bernardo do Campo, São Mateus e Santo André Oeste, no Corredor ABD, gerenciado pela EMTU, na estação República da Linha 4-Amarela de metrô, operada pela ViaQuatro, e em postos de combustível da Rede Duque, localizados nos seguintes endereços: Av. Juscelino Kubitscheck, 909; Av. Hélio Pellegrino, 1.701; e Av. Pedroso de Morais, 2.741.

Sobre a Ambev:

Unir as pessoas por um mundo melhor. Esse é o propósito da Ambev, empresa brasileira, com sede em São Paulo, e presente em 18 países. No Brasil, somos mais de 30 mil pessoas que dividem a mesma paixão por produzir cerveja com tecnologia de ponta para garantir momentos de celebração e diversão. Na Ambev, nossa cultura dá liberdade para testar novas ideias e, cada vez mais, temos exercitado a inovação. Apostamos também em processos de cocriação, convidando outras empresas a se juntarem a nós em busca de um objetivo comum. Temos parcerias com um ecossistema com mais de 500 startups para gerar oportunidades e realizar melhorias na vida das pessoas. Além disso, contamos com o hub de tecnologia Ambev Tech presente em home office e em seis cidades: Blumenau (SC), Campinas (SP), Maringá (PR), São Paulo (SP), Jaguariúna-SP e Sorocaba (SP). E não vamos parar por aqui. A Ambev é uma empresa inovadora e temos o consumidor no centro de nossas decisões e iniciativas. Somente nos últimos cinco anos, investimos R$17,5 bilhões no país e deixamos um legado além dos investimentos com nossa ampla plataforma de sustentabilidade socioambiental.

Sobre a Triciclo:

A Triciclo atua no mercado desde 2.016, com a missão de criar e operar soluções para o desenvolvimento sustentável. Foi adquirida pelo grupo Ambipar em 2.021 e é a operadora dos Projetos Retorna Machine, Recicla Pharma e Deixaki, todos vinculados ao Programa de Fidelidade Triciclo. Nesse programa, suas embalagens, medicamentos e recicláveis valem tricoins (pontos) que podem ser trocados por benefícios, como bônus de energia elétrica, recarga de vale transporte, desconto em livraria, crédito em telefonia e muito mais. Todo o material coletado é tratado pela própria Triciclo para envio às cooperativas e empresas recicladoras, e, em 5 anos de operação, já coletou mais de 25 milhões de embalagens, gerando fonte de renda, matéria prima e trabalho.

Sobre a Ambipar:

Com escritório administrativo em São Paulo e matriz em Nova Odessa –SP, a Ambipar é uma multinacional brasileira, com presença em 18 países da América do Sul, Europa, África, América do Norte e Antártida. Formada pela Ambipar Environment e Ambipar Response, dois segmentos de referência no mercado de gestão ambiental, tem em seu DNA o comprometimento com as questões sustentáveis, trabalhando os Pilares ESG dentro de seus negócios e apoiando seus clientes.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

Ecobot Nestlé passa por atualização e ajuda usuário a encontrar pontos de descarte e coleta seletiva próximo ao local procurado

Ferramenta foi atualizada para responder de forma rápida dúvidas dos usuários em relação à reciclagem e descarte correto de materiais


Em mais uma ação para celebrar os 100 anos da Nestlé no Brasil, o Ecobot da marca, criado para auxiliar usuários com dúvidas sobre reciclagem via WhatsApp, acaba de ser atualizado e passa a indicar também os locais de descarte e coleta seletiva disponíveis.

A tecnologia, que permite conversa em tempo real pelo aplicativo de mensagens, foi desenvolvida pela Take Blip em parceria com o Facebook e a Triciclos, e tem como objetivo tirar dúvidas e orientar as pessoas sobre o correto descarte e destinação do material pesquisado.

Pensando em oferecer informações sobre a reciclabilidade de materiais, o chatbot lançado pela Nestlé em 2020 conta com um FAQ que responde a diversas perguntas sobre materiais recicláveis, formas de descarte, limpeza dos produtos antes do descarte entre outros. São mais de 50 mensagens diferentes para responder as dúvidas mais frequentes.

Com a atualização, a Nestlé passa a compartilhar também os pontos de coleta e descarte mais próximos da região indicada pelo usuário. Basta informar a cidade ou CEP nas mensagens com o Ecobot. Caso existam pontos de coleta cadastrados na cidade, são informados de 3 em 3 opções, com link para o Google Maps.

Além dessa atualização, botões de resposta rápida e novas frases foram adicionados ao chatbot para tornar a experiência ainda mais amigável.

A tecnologia é parte da iniciativa RE, lançada pela Nestlé com a proposta de repensar todas as operações da companhia, além de também envolver outros agentes e parceiros para a promoção de atitudes mais sustentáveis em todo o país. A ferramenta também dá dicas de compostagem e iniciativas de ONGs, como o Cataki e Rota de reciclagem.

Até o momento, são 358 pontos de coleta distribuídos em todas as regiões do Brasil. E para acessar os serviços do EcoBot Nestlé basta adicionar o número (11) 99714-0849 e enviar uma mensagem para iniciar a conversa pelo WhatsApp.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2022

Com tecnologia inovadora, NESCAU e Boomera transformam sachês pós-consumo em itens esportivos

Além de incentivar a prática de esportes, a iniciativa beneficiou catadoras e catadores de materiais recicláveis e uma ONG no Sul do país

Com foco na circularidade das embalagens, um dos pilares da Nestlé em Sustentabilidade, NESCAU transformou embalagens de sachês de seus produtos em itens esportivos circulares como traves de futebol, cestas de basquete e postes de vôlei. Em um projeto que une inovação e sustentabilidade e amparado pelo guarda-chuva da iniciativa RE, de Nestlé, que propõe repensar todas as operações da companhia, a marca desenvolveu a ação após um edital global para reciclar as embalagens dos sachês reforçando a importância da circularidade dos produtos.

Para isso, buscou a parceria com a Boomera, empresa brasileira de Economia Circular que une ciência com consciência para transformar resíduos em matéria-prima reciclada, para transformar as embalagens flexíveis em itens esportivos após desenvolver um PCR (resina pós-consumo) próprio para a execução do projeto. Os produtos foram doados para a ONG Bairro Da Juventude, que fica em Criciúma, no Estado de Santa Catarina.

Entre os beneficiados, estão também as catadoras e catadores de material reciclável das cooperativas homologadas pela Boomera envolvidas no projeto, que foram essenciais para que duas toneladas de materiais flexíveis deixassem de ir para o aterro e ganhassem uma nova vida. Com isso as cooperativas conseguiram melhorar suas rendas a partir da venda desses resíduos para a realização do projeto.

“Com essa ação, nós buscamos completar o ciclo da circularidade, transformando algumas de nossas embalagens em novos produtos e ainda contribuindo para um trabalho tão importante que é o da reciclagem de materiais. O projeto trouxe um impacto ambiental importante, mas também um grande impacto social para a comunidade”, comenta Cristiani Vieira, gerente de Sustentabilidade Ambiental da Nestlé.

A coleta dos sachês usados durou cinco meses e envolveu 10 cooperativas de reciclagem. Já o processo de transformação e desenvolvimento da resina pela Boomera até a finalização da produção dos itens esportivos foi realizado em mais cinco meses, considerando todos os testes necessários para garantir a performance dos produtos.

Para Abner Bezerra, gerente de Marketing de Nescau e Bebidas da Nestlé, o projeto está em linha com o objetivo da marca, “Transformar nossas embalagens em produtos esportivos faz com que a marca siga investindo e apoiando a prática de esportes''. Queremos jogar junto com nossos parceiros, com a sociedade, com as crianças e com as famílias e ainda cuidar do planeta”


“Trabalhar unindo ciência com consciência é gerar impactos sociais e ambientais e esse projeto representa isso do começo ao fim. A Boomera transformou embalagens flexíveis, complexas de serem recicladas, em produtos com causa que incentivam o esporte na comunidade. Esse projeto da Boomera e Nescau reflete o propósito das duas marcas”, explica Guilherme Brammer, CEO da Boomera.

A Boomera possui um laboratório de engenharia de materiais para desenvolver resinas recicladas de qualidade e descobrir novas aplicações para diversos tipos de materiais, até os mais difíceis de serem reciclados. Já foram inseridas mais de 131 mil toneladas de lixo plástico na sua cadeia circular e a companhia possui duas fábricas com operação verticalizada para produzir matéria-prima reciclada e produtos circulares em larga escala.


“Acreditamos que as cooperativas possuem um papel importante na logística reversa e beneficiamento de resíduos no Brasil, promovendo a inclusão social e impacto ambiental positivo. Por isso, trabalhamos para aumentar a resiliência das cooperativas alavancando três indicadores principais: eficiência produtiva, renda média dos trabalhadores, além de saúde e segurança do trabalho. A Boomera se utiliza de metodologia própria, reconhecida mundialmente por promover um processo de melhoria contínua nas cooperativas. Com isso, já desenvolvemos parcerias com mais de 500 cooperativas e beneficiamos mais de 8 mil cooperados, unindo ciência com consciência para colocar a economia circular em prática e achar soluções sustentáveis para as empresas que estão em busca de dar um destino melhor para suas embalagens”, finaliza o executivo.



Sobre a Boomera Ambipar - A Boomera foi criada para valorizar e dar nova vida a resíduos que acabariam em aterros sanitários, especialmente materiais considerados difíceis de reciclar. Com a metodologia proprietária CircularPack ® , trabalha a economia circular de ponta-a-ponta, fazendo ciência com muita consciência em seu laboratório de materiais, passando por logística reversa em parceria com mais de 8.000 cooperados e transformando resíduos em produtos circulares com causa através de muita pesquisa, desenvolvimento e inovação. Fundada em 2011, e agora parte do Grupo Ambipar, a Boomera ® foi uma das primeiras empresas de Economia Circular certificadas como Empresa B, membro da Fundação Ellen MacArthur e premiada como Empreendedor Social do Ano, pela Folha de São Paulo e Fundação Schwab em 2019 e em 2020 com o reconhecimento do Fórum Econômico Mundial

Sobre a Ambipar - Com escritório administrativo em São Paulo e matriz em Nova Odessa –SP, a Ambipar é uma multinacional brasileira, com presença em 18 países da América do Sul, Europa, África, América do Norte e Antártida. Formada pela Ambipar Environment e Ambipar Response, dois segmentos de referência no mercado de gestão ambiental, tem em seu DNA o comprometimento com as questões sustentáveis, trabalhando os Pilares ESG dentro de seus negócios e apoiando seus clientes.


Sobre a Nestlé  - A Nestlé completa 100 anos no Brasil em janeiro de 2021 e comemora a data renovando seu compromisso com a sociedade, como força mobilizadora que contribui para levar nutrição e bem-estar para bilhões de pessoas, criar um ambiente de inclusão e oportunidade para milhares de brasileiros e ser o produtor de alimentos mais sustentável do país. A empresa emprega mais de 30 mil pessoas no Brasil e tem 20 unidades industriais localizadas os estados de São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Goiás, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Espírito Santo, além de três centros de distribuição e mais de 50 brokers (responsáveis por vendas, promoções, merchandising, armazenamento e distribuição). Comprometida com boas práticas que vão do campo à mesa do consumidor, a companhia conta com milhares de produtores fornecedores participando de programas de qualidade nas cadeias de cacau, café, leite e vegetais, que garantem uma produção sustentável e que traz modernidade ao campo, inclusive na cadeia orgânica. Além disso, mantém iniciativas nas fábricas como minimizar a utilização de água e energia e reduzir as emissões, ações de reflorestamento e inovações contínuas em embalagens cada vez mais sustentáveis. A Nestlé Brasil está presente em 99% dos lares brasileiros, segundo pesquisa realizada pela Kantar Worldpanel.

Líder mundial em alimentos e bebidas, a Nestlé atua em 190 países e tem sede na cidade suíça de Vevey, onde foi fundada há mais de 150 anos, com o propósito de revelar o poder dos alimentos para melhorar a qualidade de vida de todos, hoje e para as próximas gerações. O portfólio de produtos e serviços conta com mais de 2 mil marcas para todas as faixas etárias e diferentes perfis e necessidades de consumo, como Ninho, Leite Moça, Nescau, Nescafé, Nespresso, KitKat e Garoto, entre outras. A Companhia tem compromissos globais como alcançar o impacto ambiental neutro nas operações até 2050 e tornar todas as suas embalagens recicláveis ou reutilizáveis até 2025.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

Cruz Vermelha São Paulo arrecada mais de 9 toneladas de doações para famílias atingidas por enchentes na Bahia


Produtos foram enviados para auxílio da população de mais de 150 cidades do Estado baiano que passam por dificuldades neste momento


As enchentes que atingiram a Bahia no final do ano passado e início de janeiro deixaram um rastro de destruição e afetou a vida de milhares de pessoas. Diferentes organizações civis se mobilizam para levar água, mantimentos e outros itens para as famílias e a Cruz Vermelha São Paulo (CVSP) também entrou nessa corrente.

Nas últimas semanas, a CVSP arrecadou 9,5 toneladas de produtos de primeira necessidade para as famílias atingidas pelas enchentes na Bahia. São roupas, colchões, produtos de higiene e limpeza, água e alimentos.

O desastre deixou na Bahia 26.607 desabrigados, 61.516 desalojados, 520 feridos, 26 mortos e dois desaparecidos. Diante deste cenário, a CVSP segue mobilizada em dar continuidade a esses trabalhos, vez que as chuvas não param e a quantidade de pessoas necessitando de auxílio só tem aumentado.

“Seguimos empenhados em mais essa missão de ajudar as famílias baianas que tanto precisam de assistência nesse momento tão complexo e também estudando a possibilidade de recolhimento de doações para o Estado de Minas Gerais que é a nova vítima dessas chuvas que vem devastando cidades de nosso país. Claro, sem deixar de lado nosso papel com às comunidades carentes daqui de São Paulo. A Cruz Vermelha São Paulo não vai medir esforços para ajudar quem mais precisa”, declara o diretor executivo da CVSP, Bruno Semino.

Recursos Financeiros - A CVSP também arrecadou mais de R$ 6,9 mil reais que serão encaminhados para ajudar as famílias atingidas na região.

Contribuição - Quem quiser se tornar um doador da Cruz Vermelha, pessoa física e/ou empresas, pode fazer a contribuição pela internet acessando o site da entidade. Nele é possível contribuir financeiramente com a entidade. Doações de alimentos podem ser feitas de forma presencial na sede da entidade localizada na Avenida Moreira Guimarães, 699, Indianópolis, São Paulo, SP.

terça-feira, 18 de janeiro de 2022

NOTA DE REPÚDIO - Pediatras pedem respeito à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e condenam ação da deputada Bia Kicis (PSL)




A audiência pública organizada pelo Ministério da Saúde no dia 4 de janeiro para discutir desdobramentos relacionados à vacinação de crianças de cinco a 11 anos contra a covid-19 serviu de palco para uma situação insólita, que não dialoga em nada com os princípios da ética e da moralidade, assim como desrespeita parâmetros legais em vigor no País.


O País testemunhou o vazamento de informações pessoais dos médicos Isabella Ballalai (vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações -- SBIM), Marco Aurélio Sáfadi (presidente do Departamento de Infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria - SBP) e Renato Kfouri (presidente do Departamento de Imunizações da SBP e diretor da SBIM).


A expressão vazamento já indica que o repasse desses dados para imprensa e outros grupos ofendeu parâmetros que deviam ser observados. Infelizmente, esse ato foi promovido por uma parlamentar, a qual foi eleita para trabalhar em defesa dos cidadãos e das instituições.


Pela imprensa, a Deputada Bia Kicis (presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados) assumiu a responsabilidade pela publicização de informações, o que deixou os médicos acima citados em situação de vulnerabilidade, sendo alvos de ameaças e intimidações pelo seu posicionamento em relação ao tema da vacinação de crianças contra a covid-19.


A Sociedade Brasileira de Pediatria entende que o gesto praticado pela deputada Bia Kicis não pode ficar impune. Por isso, além desse vazamento ser objeto de moção de repúdio pela SBP, informa que foram tomadas medidas junto a diferentes instâncias, as quais são detalhadas a seguir:


AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO DE DADOS (ANPD) -- Diante do flagrante desrespeito aos pressupostos da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), a SBP requereu desta instituição a adoção de todas as medidas cabíveis para apurar e punir os responsáveis pela prática ilegal de vazamento de dados sigilosos, somada de fiscalização para que a Lei seja cumprida através das suas devidas sanções.


MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL -- A SBP pede que seja apurada a fonte do vazamento, com a responsabilização dos envolvidos por descumprimento da legislação em vigor, dando resposta à sociedade, principalmente aos pediatras do País, e mostrando que o MPF não compactua com atitudes ilegais no bojo de sua atuação.


CÂMARA DOS DEPUTADOS -- Diante do vazamento e de declarações da Deputada Bia Kicis em suas próprias redes sociais, nas quais confirmou o vazamento de dados e a divulgação de informações sigilosas a respeito da audiência realizada pelo Ministério da Saúde em relação ao estudo de vacinação de crianças em razão da covid-19, a SBP pede ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados a instauração de inquérito para apurar essa conduta. Se for confirmada a violação do decoro parlamentar, ela deve ser processada e julgada conforme o Código de Ética da Câmara dos Deputados.


A SBP ressalta que os procedimentos adotados estão descolados de qualquer debate político, partidário, ideológico ou mesmo técnico-cientifico. As representações, queixas e denúncias apresentadas visam unicamente defender o respeito ao sigilo de informações de médicos em situação de trabalho, as quais estavam na oportunidade protegidas pela lei.


Espera-se de agentes públicos, como uma deputada federal, a compreensão dessa responsabilidade de obediência legal que é condizente com seu papel na sociedade. Nada justifica a não observação desse compromisso que, sem a devida punição, pode ser quebrado em outras oportunidades, mais uma vez deixando indivíduos e/ou instituições em situação de risco.



Rio de Janeiro, 17 de janeiro de 2022.


SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA (SBP)

Google faz doação de R$ 550 mil para ajudar atingidos pelas enchentes na Bahia e em Minas Gerais


  • Metade do valor será doado para o Center for Disaster Philanthropy, organização global especializada em desastres e a outra metade para a Gerando Falcões
  • Gerando Falcões prevê ajudar mais de 2 mil pessoas diretamente com produtos de necessidade básica emergencial como alimentação, produtos de higiene e limpeza, medicamentos e colchões

O Google. org, braço filantrópico do Google, se une à corrente de ajuda e solidariedade levando apoio humanitário para 500 famílias afetadas pelas enchentes e tempestades no Sul do estado da Bahia e Minas Gerais. O socorro urgente ocorre por meio da doação de R$ 550 mil a organizações que têm trabalhado estrategicamente nas regiões para suprir as necessidades imediatas da população impactada na região.

O valor de R$ 275 mil foi doado à Gerando Falcões, que com o apoio de entidades locais levará apoio em alimentação, material de higiene e limpeza e infraestrutura à população vulnerável impactada pelas fortes chuvas que vêm afetando os dois estados nos últimos meses. As doações ajudarão a suprir a demanda prioritária de mais de 2 mil pessoas (cerca de 500 famílias).

A outra parte de R$ 275 mil foi destinada ao Center for Disaster Philanthropy, uma organização global especializada na distribuição de doações para organizações sem fins lucrativos que trabalham para apoiar os esforços de socorro e recuperação. O dinheiro será utilizado para fornecer recursos a organizações nos estados atingidos por enchentes.

As fortes chuvas que vêm afetando estados de diferentes regiões do país já deixaram, ao menos, 100 mil pessoas desalojadas ou desabrigadas, e causaram a morte de 45 pessoas no Brasil todo. Em Minas Gerais, as enchentes na última semana impactaram 145 municípios, atualmente em situação de emergência, e 19 pessoas morreram. Na Bahia, onde as chuvas castigam o estado desde novembro, a Defesa Civil local já contabiliza 26 mortos e mais de 80 mil desabrigados ou desalojados.

Desde o início da pandemia, o Google já contribuiu com mais de R$ 155 milhões, ajudando diversas iniciativas de entidades atuando no combate aos impactos da crise sanitária no Brasil. Em abril de 2021, a Gerando Falcões recebeu R$ 5,5 milhões do Google﹒org para a sua campanha de combate à fome, ajudando 7 mil famílias em situação de vulnerabilidade nas regiões Norte e Nordeste a adquirir alimentos, itens de limpeza e higiene pessoal.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

Fundo Baobá prorroga inscrições do edital Negros, Negócios e Alimentação, voltado a empreendedores negros do ramo da gastronomia

Edital vai apoiar com R$ 30 mil cada uma das 12 iniciativas que forem selecionadas. Inscrições reiniciam dia 06/01 e vão até 27/01


O Fundo Baobá para Equidade Racial, com o apoio da General Mills, anuncia a prorrogação das inscrições do edital Negros, Negócios e Alimentação, uma iniciativa que vai apoiar 12 (doze) empreendimentos negros do ramo da gastronomia de consumo imediato, formalmente instalados há 2 anos ou mais na Região Metropolitana de Recife.

Os interessados poderão se inscrever entre os dias 06 de janeiro e dia 27 do mesmo mês. Para entender melhor os critérios de elegibilidade do programa e se candidatar, basta acessar o edital através deste link

As(os) empreendedores(as) selecionadas(os) receberão um aporte financeiro de R$ 30.000 (trinta mil reais), além de assessoria e suporte técnico, e terão 09 (nove) meses para executar os seus projetos e apresentar a prestação de contas final.

O edital é voltado para empreendedores(as) negros(as) do setor gastronômico, com 18 anos ou mais, que tenham negócio ativo e formalizado há mais de 2 anos (CNPJ aberto em 2019 ou antes), que trabalhem com alimentação de consumo imediato, como almoços, jantares, salgados, bolos, pratos típicos e regionais, dentre todas as opções de cardápio; empresários que trabalhem com food truck, comida de rua e que sejam ambulantes, também podem participar.


Os negócios devem estar localizados no estado de Pernambuco nas seguintes cidades: Recife, Jaboatão dos Guararapes, Olinda Paulista, Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe, Abreu de Lima, Ipojuca, São Lourenço da Mata, Igarassu, Moreno, Itapissuma, Ilha de Itamaracá e Araçoiaba. Sendo que propostas apresentadas por mulheres negras cis ou trans e de empreendedores(as) negros(as) que nunca foram apoiadas(os) pelo Fundo Baobá para Equidade Racial serão priorizadas.

A iniciativa

Para as pessoas negras que empreendem, o ramo gastronômico está entre as 10 áreas de maior presença no mercado. Entretanto, com a crise econômica agravada pela pandemia do COVID-19, muitos pontos de venda fixos foram impactados negativamente, em especial, os negócios cujos donos eram mulheres.

Pensando em contribuir para a recuperação econômica desses negócios e promover aos empreendedores e empreendedoras negros(as) a ampliação de suas capacidades de planejar, fazer gestão, inovar, ampliar ou estabelecer uma infraestrutura mínima para sustentabilidade de seus negócios, o Fundo Baobá, com o apoio da General Mills, empresa global de alimentos dona de marcas como Yoki, Kitano e Häagen-Dazs no país, promove o edital Negros, Negócios e Alimentação.

O objetivo do projeto é criar condições para que os empreendedores escolhidos conheçam a fundo os seus negócios e as suas capacidades a fim de gerar um impacto positivo em toda a comunidade, a partir da expansão dos seus empreendimentos e para que sejam, num futuro próximo, geradores de novos empregos por meio da ampliação dos serviços, aumento das vendas e crescimento de antigas e novas relações de negócios. Além disso, a iniciativa tem o intuito de fortalecer e ampliar a sua jornada de diversidade e inclusão étnico-racial no Brasil.


Realizadores


Criado em 2011, o Fundo Baobá para Equidade Racial é o primeiro e único fundo dedicado, exclusivamente, para a promoção da equidade racial para a população negra no Brasil. Orientado pelos princípios de ética, transparência e gestão, mobiliza recursos financeiros e humanos, dentro e fora do país, e investe em iniciativas da sociedade civil negra para o enfrentamento ao racismo e promoção da justiça social.


A General Mills é uma empresa líder global em alimentos e trabalha “fazendo os alimentos que o mundo ama”. Com sede em Minneapolis, Minnesota, EUA, a companhia chegou ao Brasil em 1997. Em novembro de 2020, assumiu publicamente o compromisso de ser um instrumento importante de mudança promovendo iniciativas práticas para equidade racial. Ao reconhecer que o racismo deixa marcas todos os dias em diversas sociedades, há séculos, a empresa se mobiliza e busca contribuir para os avanços em políticas de inclusão e, sobretudo, de preservação da vida de pessoas negras.


Serviço


O quê? Prorrogação das inscrições do edital Negros, Negócios e Alimentação

Período: 06 de janeiro a 27 de janeiro às 17h

Inscrições: Site Baobá



Público-alvo: empreendedoras(es) negras(os) da área de alimentação de pronto consumo da região metropolitana do Recife com registro formal até 2019.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2022

Paper Excellence realiza doação para vítimas das enchentes na Bahia




1.200 cestas básicas, além de produtos de necessidade como colchões, roupas de cama, itens de higiene pessoal e água serão distribuídos nos municípios baianos

A Paper Excellence, uma das maiores e mais diversificadas produtoras de papel e celulose do mundo, e acionista da Eldorado Brasil, realizou a doação de 1.200 cestas básicas, que também poderá ser revertida em bens de necessidade como colchões, roupas de cama, produtos de higiene pessoal e água, para as vítimas das enchentes no estado da Bahia.

Os produtos estão sendo entregues ao Corpo de Bombeiros Militar da Bahia (CBMBA) por meio da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB), e serão distribuídos aos municípios do estado fortemente atingidos pelas chuvas.

“A ajuda da Paper Excellence é muito gratificante e sensível, em linha com a solidariedade que o povo baiano vem recebendo de todos os brasileiros”, afirma o presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia, Antonio Ricardo Alvarez Alban. “Com o agravamento dos estragos provocados pelas chuvas em 80 cidades baianas, intensificamos a mobilização junto às empresas para arrecadar doações que serão destinadas às centenas de famílias desabrigadas ou desalojadas. Esperamos que mais empresas possam seguir o exemplo solidário da Paper”, complementa.

Com atuação no Canadá, França, Estados Unidos, a Paper Excellence possui 7 mil funcionários e produz mais de 5 mil toneladas de papel e celulose todos os anos. A empresa chegou ao Brasil em 2018 após a compra de 49,41% da Eldorado Brasil, que possui sede em Três Lagoas, Mato Grosso do Sul.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2022

GSH Corp doa mais de 2 toneladas de alimentos para as vítimas da chuva na Bahia


A GSH Corp, plataforma gestora de serviços especializados em saúde, com atuação em todo território nacional, doou 2,5 toneladas de alimentos não perecíveis para as famílias afetadas pelas chuvas na Bahia. As doações foram entregues na base local do Corpo de Bombeiros na cidade de Salvador e serão destinadas diretamente às vítimas.

A responsabilidade social é uma das premissas da companhia, qu-19. e desde 2015 participa de forma ativa do projeto social FUNDAÇÃO ABRINQ, que atua em prol dos direitos da Criança e do Adolescente em diversas frentes de trabalho. Em 2020 e 2021 realizou campanhas de doação de alimentos e máscaras para ajudar as populações em situações de risco, causados pela Covid-19.

“O Grupo GSH leva muito a sério o cuidado e a integridade social que ajudou a empresa a conquistar o posto de empresa referência na área de hemoterapia. Nos solidarizamos com a população da Bahia, que atravessa uma situação delicada em decorrência das fortes chuvas que afetaram algumas cidades do estado”, diz Carlos Delmonaco, vice presidente.