quinta-feira, 28 de maio de 2015

Imprensa: Lean Way Consulting é o mais novo cliente da Trama Comunicação

A Lean Way Consulting, uma das principais consultorias especializadas em Lean System no Brasil, é o mais novo cliente da Trama Comunicação. A agência será responsável pelo relacionamento da empresa com a mídia e pelas ações de engajamento com públicos estratégicos para as soluções Lean Way. 

A equipe de atendimento é formada por:

Executiva de Atendimento: Camila Sanches - camila_sanches@tramaweb.com.br
Gerente de Atendimento: Lizandra Cardelino - lizandra@tramaweb.com.br
Diretora de atendimento: Leila Gasparindo - leilag@tramaweb.com.br 

A Lean Way é uma das principais consultorias de gestão no Brasil especializada na metodologia Lean System, consagrada pela indústria japonesa por atingir avanços significativos no desempenho operacional em todo o mundo. Voltada para maximizar o potencial de negócios de empresas de diferentes segmentos, empresa foi pioneira na implantação de programas para o aumento de produtividade em grandes corporações no Brasil como Gerdau, White Martins, Adidas, Alcoa, Penalty, entre outras.


Imprensa: Side Walk é o novo cliente da MktMix

A MktMix Assessoria de Comunicação é a nova agência responsável pelo atendimento à imprensa da Side Walk, marca de calçados, roupas e acessórios para homens e mulheres que buscam qualidade, conforto e estilo. 

A direção da conta é de Roberto Ethel robertoethel@mktmix.com.br, a sub-coordenação é de Daniela Vinci - danielavinci@mktmix.com.br; o atendimento de jornalismo de Jéssica Danne -jessica@mktmix.com.br; produção de moda com coordenação de Chiara Rodelo  -chiara@mktmix.com.br; e atendimento de Fabiana Trematerra-  fabiana@mktmix.com.br.

A Side Walk é reconhecida pela originalidade e espontaneidade. A grande variedade de produtos e o pioneirismo no lançamento de modelos hoje conhecidos como Top-Sider, o processo de lavagem e envelhecimento dos tecidos e a excelente qualidade dos calçados e das roupas constituem o grande diferencial da marca, que fez de um canguru um dos símbolos mais conhecidos do mercado brasileiro da moda.

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Inscrições para o Prêmio de Jornalismo Medtronic 2014 irão até 5 de junho de 2015

Já estão abertas as inscrições para a quarta edição brasileira do Prêmio de Jornalismo Medtronic, criado para reconhecer e valorizar os profissionais de imprensa que informam a população sobre condições de saúde e tecnologias médicas. Esta edição permanece com as quatro categorias estabelecidas desde 2012: jornalismo impresso, telejornalismo, radiojornalismo e online. Serão quatro vencedores e cada um receberá como prêmio o valor de R$ 5.000,00. Um Júri de Seleção, composto por profissionais de saúde e de jornalismo de competência reconhecida, elegerá o melhor trabalho por categoria.

Os interessados em concorrer ao Prêmio de Jornalismo Medtronic 2014 deverão inscrever sua matéria, veiculada entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de 2014, e preencher a Ficha de Inscrição pelo site do Prêmio Medtronic* até 5 de junho de 2015. As fichas preenchidas e o conteúdo digitalizado serão encaminhados ao júri após o prazo de inscrição. É importante lembrar que a matéria deverá ser sobre saúde e abordar alguma tecnologia médica.


Para mais informações, os jornalistas devem entrar em contato com Camile (camile.freitas@ketchum.com.br ou (11) 5090-8900 ramal 8767) ou Patrícia (patricia.torres@ketchum.com.br ou (11) 5090-8958). 

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Comércio B2B: Alibaba.com lança o Compra Segura no Brasil

Plataforma líder mundial de vendas no atacado (comércio B2B), o Alibaba.com lançou hoje (21/05/2015) para os compradores brasileiros o Compra Segura, um serviço gratuito desenvolvido com o objetivo de criar uma relação de confiança no comércio com fornecedores chineses. 


Por meio de uma análise do histórico dos fornecedores e da trajetória de comércio do Alibaba.com, o Compra Segura oferece aos compradores internacionais uma série de recursos e ferramentas de proteção para garantir que fornecedores cumpram os contratos firmados. O Compra Segura já está disponível em inglês aos milhões de compradores internacionais do Alibaba.com desde o dia 14 de maio e, a partir de agota, uma versão do serviço totalmente em português também está disponível para os usuários brasileiros da plataforma.

Em sua fase inicial de implantação, o Compra Segura somente cobrirá pagamentos feitos via transferência bancária (T/T). Futuramente, essa cobertura será estendida a outras formas de pagamento. Se o comprador fizer um depósito ou pagamento antecipado e o fornecedor não enviar o produto dentro do prazo estipulado ou se a qualidade do produto não estiver de acordo com os requisitos estipulados no contrato de compra, o dinheiro do comprador estará protegido.

O Alibaba.com reembolsará 100% do Valor do Compra Segura - combinado entre comprador e fornecedor durante a compra - caso o pedido não seja enviado no prazo estipulado no contrato, e/ou caso os produtos não correspondam aos requisitos de qualidade descritos no contrato de venda.


Para mais informações sobre o Compra Segura, acesse http://portuguese.alibaba.com/compra-segura .

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Sobre comunicação, sacolas plásticas e sustentabilidade

Já faz alguns anos que a cidade de São Paulo vive a polêmica da distribuição das sacolas plásticas nos supermercados - com várias tentativas frustradas e, finalmente, a adoção das medidas por meio da  Lei Municipal 15.374, que entrou em vigor em 05/04/2015. A legislação definiu que estes estabelecimentos devem entregar sacolas em duas cores distintas (verde e cinza - cada cor para um tipo diferente de resíduo), fabricadas com material biodegradável, dimensões padronizadas, orientações nas embalagens e, até mesmo, estabelecendo multa para comerciantes e consumidores que não seguirem as regras. 

Desde antes da lei entrar em vigor, entretanto, o que se verifica é falta de esclarecimento para a população e a ausência de uma campanha de comunicação por parte da Prefeitura a fim de orientar as pessoas sobre coleta seletiva, aderirem à proposta e acertarem no descarte. 

Preservar o meio ambiente e ampliar a reciclagem são objetivos que, a priori, contam com a aprovação da maioria dos cidadãos. Mas, é fundamental proporcionar informação para mudar hábitos arraigados. Além disso, a legislação tem pendências e falta regulamentação sobre o uso/distribuição de sacolas plásticas em lojas de roupas e outros tipos de estabelecimentos comerciais. O volume de plástico que descartamos é tão grande que só abordar  as sacolas do supermercado é minimizar a situação crítica. Verifica-se ainda que o foco está direcionado ao lixo domiciliar, que é apenas uma parte do que vai para os lixões.   

Para elaboração deste artigo, li várias matérias na internet a respeito, tenho conversado com consumidores nos supermercados, tenho as minhas próprias dúvidas. Destaco especialmente uma matéria no G1, publicada no dia 07/04/2015, e outra publicada no site da Prefeitura, que demonstra as contradições, erros e as várias perguntas sem resposta:  

1: Ter campanha de comunicação focada em crianças. É relevante impactar o público infantil, tendo em vista que a educação ambiental começa na infância, mas quem faz compras, pega sacolas e arruma o lixo para a coleta são os adultos. Desta forma, precisam ser impactados com frequência. De qualquer forma, não vemos campanha nenhuma. 

2: Considerar que sacolas de lojas de roupas, drogarias, bancas de jornais não são usadas para descarte de lixo é um equívoco. Elas também são utilizadas para descarte de resíduos e vão para o lixo. Temos ainda os sacos de legumes, frutas e verduras que pegamos nos mercados, quitandas e muitos outros lugares que não foram contemplados.         

3: Se a lei foi sancionada em janeiro e entrou em vigor em abril, por que a Prefeitura não usou este período para uma campanha de comunicação direcionada à população para que esta estivesse mais afinada com a mudança? 

4: qual deve ser a ação dos consumidores que usam sacos plásticos grandes para descarte do lixo como eu? (aqueles pretos de 15, 20, 30, 50 a 100 litros)? Como proceder?Existe alguma previsão deles também serem produzidos apenas com matéria-prima descartável? 

5: São Paulo tem "96 distritos e, em princípio, 85 deles têm coleta seletiva". Como os moradores das regiões sem coleta devem agir? Efetivamente, quantas ruas são beneficiadas?

6: Como a Prefeitura pode estabelecer que "a meta é aumentar o percentual de coleta seletiva em São Paulo de 2% para 100%, até 2016"? Por que não definir objetivos mais realistas e atingíveis, já que o mandato do atual prefeito termina o ano que vem? 

7: Por que permitir que os estabelecimentos comerciais vendam as sacolas plásticas recicláveis? 

Como moradora da capital paulista e profissional de comunicação, concluo que, apesar da implementação da lei, pouca coisa está sendo feita efetivamente para desenvolver a cultura da coleta seletiva na cidade.