quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

O Poder do Digital nas eleições de 2018 é tema de evento marcado para 17/12

No dia 17 de dezembro, São Paulo recebe o evento "O poder do digital nas Eleições de 2018: o que foi isso?". Promovido pelo Digitalks, o evento traz palestras e debates com especialistas da área de comunicação, marketing e política que falarão sobre o quanto o Digital se mostrou decisivo nas campanhas brasileiras e vem tomando um espaço cada vez mais importante na comunicação política em todo o mundo.

De acordo com Gil Castillo, Consultora Política, ex-presidente da ALACOP - Associação Latino-americana de Consultores Políticos, com experiência em várias campanhas eleitorais e curadora do encontro, o evento é uma oportunidade única de ter contato com profissionais destacados, de diversas áreas, que vão ajudar a compreender a nova dinâmica das campanhas eleitorais, com foco na comunicação digital.

Alguns dos questionamentos abordados durante todo o dia são Qual a abrangência dos canais digitais nas eleições? Os meios de comunicação tradicionais perderam a eficiência? O que motiva o eleitor a votar? Qual o impacto das fake news no processo eleitoral? e A campanha é permanente?

O evento é destinado a profissionais de campanhas eleitorais, assessores políticos, da área de comunicação, marketing, publicidade, agências, representantes de veículos de mídia e profissionais que desejam se aprofundar em marketing político. Serão palestras e painéis de debates com profissionais destacados nas diversas áreas de atuação das campanhas eleitorais, como a Consultora política Cila Schulman, Vice-presidente da Idea Big Data, Dra. Karina Kufa, especialista em Direito Eleitoral e coordenadora jurídica da campanha de Jair Bolsonaro, Bruno Scartozzoni, da Story Talks, especialista em Storytelling, Guillermo Raffo, Consultor Sênior da campanha de Henrique Meirelles, Mônica Sodré, Cientista Política e Diretora Executiva da RAPS - Rede de Ação Política pela Sustentabilidade, Moriael Paiva, especialista em Marketing Político Digital, Marcelo Weiss, Consultor Político, Diretor da Tupy Company e Conselheiro do CAMP - Clube Associativo dos Profissionais de Marketing Político, Bruno Soller, especialista em Pesquisas Eleitorais, Arnaldo Azevedo, Diretor de Digital Advertising da Campanha de Geraldo Alckmin, entre outros palestrantes.

O evento "O poder do digital nas Eleições de 2018" acontece no Developer Hub (sede do Digitalks), que fica na Rua Oscar Freire, 2.379, Pinheiros, das 9h às 17h. As vagas são limitadas para o melhor aproveitamento. A inscrição deve ser feita no site da Digitalks, através do link https://digitalks.com.br/eventos/o-poder-do-digital-nas-eleicoes-2018-o-que-foi-isso/cc.

Mais informações através do e-mail forum@digitalks.com.br ou do telefone (11) 3159-1458.

Sobre o Digitalks

O Digitalks é a principal empresa brasileira que leva conhecimento e oportunidades de negócios através de 50 atividades anuais, preparando pessoas e transformando empresas para a nova realidade digital.

Desde 2009, o Digitalks realiza eventos em todo o Brasil, dissemina conteúdo em diversos canais de comunicação – incluindo portal de notícias, revista e TV Online –, realiza cursos de capacitação e conecta pessoas, incentivando a geração de negócios sólidos. Integrante do mesmo grupo corporativo do iMasters e E-Commerce Brasil, a empresa tem como principal objetivo fomentar o setor digital.

O projeto é um oferecimento de Bing, Dinamize, Google e Vivo Ads e é mantido pelas empresas A² Business Intelligence, Ad.Ez, All iN Marketing Cloud, Apiki, Atena, CI&T, Contentools, CRP Mango, Daryus, Linx + DCG, Digital Business, Gamned!, GTC, Havas Group, Infracommerce, In Loco, InsideOut, Leadlovers, Locaweb, Maqina, mobLee, O2 Media Response, Predicta Group, PwC, Reclame Aqui, SEO Marketing, SharpSpring, Stefanini, Sympla, Unbounce, Vídeo Click, Vitrio, Vtex, Webeleven e Wix. O projeto conta também com o apoio de Abradi, APP Brasil, Cidade Marketing, Digitais do Marketing, E-Commerce Brasil, Era Transmidia, Eventials, Fenapro, IAB Brasil, iMasters, Meio & Mensagem, Mestre GP, MMA, Mundo do Marketing, New Value, Opinion Box, Putz Filmes, Siegel Press e Startupi, além de diversos parceiros regionais. 

Serviço – O poder do digital nas Eleições de 2018
Data: 17 de dezembro (segunda-feira)
Horário: das 9h às 18h
Local: Developer Hub (sede do Digitalks) - Rua Oscar Freire, 2.379, Pinheiros
Investimento final: R$ 490,00 (confira os lotes promocionais)
N˚ vagas: 100 lugares (vagas limitadas para melhor aproveitamento)
Inscrições: https://digitalks.com.br/eventos/o-poder-do-digital-nas-eleicoes-2018-o-que-foi-isso/

Informações: forum@digitalks.com.br ou (11) 3159-1458

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Franquia de restaurante Divino Fogão abre loja no ABC e no Ceará


Divino Fogão, rede de franquias reconhecida pela comida da fazenda, decidiu acelerar o plano de expansão da marca neste final de ano. Apenas em novembro foram inauguradas duas unidades em diferentes regiões brasileiras. A cidade de Fortaleza, localizada no estado do Ceará, por exemplo, recebe a sétima unidade da rede neste ano. Já São Bernardo do Campo, situado no ABC Paulista, em São Paulo, passa a contar com quatro restaurantes da marca.  Com essas aberturas, o Divino Fogão passa a ter 182 lojas em operação espalhadas pelas cinco regiões do Brasil.



Em Fortaleza, o Divino Fogão chega ao Shopping Del Paseo, consagrado empreendimento localizado na Aldeota, bairro central da capital cearense. No estado, a marca conta apenas com unidades na capital, todas localizadas em shopping centers. Já em São Bernardo do Campo, em São Paulo, a rede implanta uma unidade no Extra Anchieta. Explorando o conceito store in store (loja dentro de loja), o restaurante será a mais nova opção da praça de alimentação que integra o empreendimento. A unidade tem 153m², mesas para 70 lugares, além de espaço reservado para eventos com 32 lugares. O restaurante conta também com cozinha show com grelhados preparados na hora. A marca também tem lojas em outras cidades que compõem o ABC Paulista, como Santo André e São Caetano do Sul.

Segundo o diretor de operações do Divino Fogão, Emiliano Silva, a meta da rede é fechar o ano com 10 novas unidades em operação implantadas em diferentes estados brasileiros. “Nossa estratégia será implantar pontos de operação em shopping centers já consolidados em diferentes municípios, já que tais empreendimentos contam com uma boa expectativa de faturamento aos franqueados”, revela. Já o presidente e fundador, Reinado Varela, revela que as expectativas são positivas para 2018, especialmente com a retomada da economia. “Nosso objetivo é fechar o ano com um incremento de, pelo menos, 10% no faturamento e 5,4% no número de lojas”, revela Varela.

O Divino Fogão conta com um buffet diversificado, que reúne pratos tradicionais da fazenda e um cardápio equilibrado com mais de 17 opções de saladas por dia, grelhados de carne magra, frango e peixe, além das sobremesas.

Ficha técnica Divino Fogão:
Ano de fundação da empresa: 1984
Ano de início no sistema de franquias: 1994
Número de unidades em funcionamento no Brasil: 182
Investimento inicial: R$ 700 mil
Taxa de franquia: R$ 80 mil
Capital de giro: R$ 30 mil
Royalties: 4% sobre o faturamento mensal
Taxa de publicidade: 1%
Área mínima: 52 m²
Nº de funcionários: 18 funcionários por unidade, em média
Faturamento bruto: R$ 190 mil
Lucro líquido: em torno de 15% a 18%
Prazo de retorno: 36 meses
Prazo de contrato: (5 anos)
Projetos de expansão: todo o território nacional
Telefone: (11) 3811-1560
Site: www.divinofogao.com.br


sábado, 6 de outubro de 2018

Ascensão do PT: cadê o mea culpa empresarial?

Tenho aproveitado este espaço para expor minha avaliação sobre algumas questões que chamam a minha atenção nas eleições de 2018, tendo em vista a avalanche de acontecimentos. Neste post, o objetivo é de comentar da iniciativa de vários empresários de "coagir" seus colaboradores quanto ao risco que seria a reeleição do PT (Haddad/Lula) em 2018 e no qual "sugerem" o voto em Jair Bolsonaro para presidente da república, ameaçando com fechamento da empresa, demissão dos colaboradores, que não vão cortar o 13º salário ou até mesmo oferecendo folga e um churrasco. Se, em um passado não muito distante, os políticos ofereciam dentadura ou uma consulta médica por um voto, agora chegamos ao auge do constrangimento e, o que é relevante, documentado em memorandos, vídeos ou e-mails. 

Mas, considero relevante registrar que muitos dos empresários que destilam ódio contra o PT (não sou a favor do partido, mas sou contrária à hipocrisia) poderiam ter parado a avanço da corrupção em 2006 (reeleição de Lula), em 2010 ou 2014 (anos da eleição de Dilma), quando os escândalos já estavam em todas as mídias e tribunais. Entretanto, continuaram ali abastecendo o partido, e também ao MDB e aos currais regionais eleitorais, com milhões em doações oficiais ou via Caixa 2. 

Este esquema foi alimentado com dinheiro de empresas que, hoje, esperam combater o ciclo corrupto ao apoiar um candidato, personificação do retrocesso, que não sabe falar se tem efetivamente um programa para o país e como pretende implementá-lo. Um candidato que repete declarações que remontam aos tempos do "caçador de marajás", um outro capítulo ruim da história brasileira com Collor de Melo, um partido minúsculo e muitas palavras de ordem.

Se o PT, Lula ou Dilma tiveram milhões (ou R$ 1,4 bilhão somando-se a campanha de 2010 e 2014 segundo Palocci) para desviar e comprar políticos, conforme delações, provas e condenações, este valor não saiu do bolso da população e nem do meu. Então, a classe empresarial precisa fazer com urgência e persistência o seu mea culpa por sustentar durante anos, e enquanto foi conveniente, o PT no poder. Será que estariam tão revoltados se a economia continuasse em crescimento ou continuariam tapando o sol com a peneira dos lucros?

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

BURGER KING® lança campanha de conscientização para quem pretende votar em branco

Com objetivo de gerar uma reflexão sobre a importância de um voto consciente nas eleições, o BURGER KING® lança uma campanha ousada e irreverente: o Whopper em Branco.


Já imaginou receber um sanduíche que leva apenas pão e cebola, ou só picles, ou nem sequer levar pão? Esse é o Whopper em Branco, sanduíche criado especialmente para a campanha, que as pessoas receberam após responder que pretendiam votar em branco nas próximas eleições, em ação gravada na Av. Paulista em frente a uma loja da rede. Para enfatizar a ideia, a embalagem trazia a mensagem: votar em branco é o mesmo que abrir mão do seu direito de escolha; e quando alguém escolhe no seu lugar não dá para reclamar do resultado.

Como forma de dar continuidade à discussão, no sábado, 29, a marca publicou nas suas redes sociais conteúdos convidando as pessoas a responderem se pretendiam votar em branco. Pessoas que interagiram com a ação confirmando essa opção de voto, receberam o produto em casa. Ainda, no domingo, 30, o filme da ação gravada com os consumidores foi lançado no intervalo do debate dos candidatos, promovido pela emissora Record, e postado nas redes sociais da marca.

Em menos de 12 horas de estreia os resultados foram surpreendentes. Mais de 41 mil menções totais, 1,6 milhão de visualizações, 48k de compartilhamentos e quase 90% de menções positivas. Além disso, a marca Burger King foi trend topics no Brasil e no mundo. A campanha usa as hashtags #VotoemBranco e #BKemBranco.

“No BURGER KING® você pode pedir o hambúrguer jeito que você gosta. Nessa campanha, quisemos trazer através do nosso carro chefe, o Whopper, o que acontece quando você abre mão do seu direito de escolha e deixa outra pessoa escolher por você”, afirma o diretor de marketing e vendas Ariel Grunkraut. 

A marca ainda enfatiza que não apoia nenhum candidato e isso não faz parte de nenhuma campanha eleitoral. “Somos uma rede de fast food profundamente inserida nos países onde atuamos e estamos atentos ao papel de promoção das responsabilidades sociais. Recebemos em nossos restaurantes aproximadamente 150 milhões de pessoas todos os anos, e isso nos possibilita ser uma antena da sociedade, antecipar tendências e fazer parte de mudanças importantes”, complementa o diretor.

sábado, 29 de setembro de 2018

Joesley, a crise do PSDB e o "Coxinha pistola"

Volto a escrever para retomar um tema sobre o qual escrevi no post "Antipetismo não é suficiente para ganhar eleição para presidente do Brasil": o PSDB, seus políticos e eleitores, o partido que saiu mais afetado por toda a onda de combate à corrupção, divisão interna, fisiologismo e pela ascensão do conservadorismo frente à dificuldade de identificação do posicionamento ideológico do partido. Para dar conta desses aspectos, vamos por partes.

A eleição presidencial de 2014 foi marcada pela derrota de Aécio Neves nas urnas, por um percentual pequeno de diferença de votos - candidato que nem era cotado para estar no segundo turno. De qualquer forma, esta foi a quarta derrota consecutiva do PSDB para o PT. Como presidente do partido, Aécio contestou o resultado das eleições, denunciado práticas ilegais realizadas pela chapa Dilma-Temer durante a campanha eleitoral. 

Não vou me alongar na apresentação de fatos mas, enquanto o processo corria no Tribunal Superior Eleitoral (TSE),  o cenário social, político e econômico se tornou bastante instável pelas dificuldades de Dilma Roussef (PT) administrar a crise que se instaurou logo após o começo do seu segundo mandato, com críticas às suas propostas vindas de todos os lados, incluindo membros sua própria legenda. 

Entre discussões sobre as pedaladas fiscais e sessões no Congresso Nacional, veio o impeachment da presidente,  embalado pelos gritos e "panelaços" de manifestantes que foram às ruas e ficaram conhecidos pejorativamente como os "coxinhas", em  contraposição aos "mortadelas" (petistas), sendo São Paulo o epicentro da mobilização que tomou conta do país.  É possível considerar que os "coxinhas", então, se sentiram "vitoriosos". Mas, a nossa história tem as suas reviravoltas.

O impeachment que colocou Michel Temer (MDB) no poder, estimulou mais um racha no PSDB: apoiar ou não o novo governo de um vice eleito pela chapa adversária nas eleições? (considerado "golpista", agora, pelos próprios petistas).  Aécio Neves, ainda presidente do partido, conduziu os debates internos a favor do apoio do PSDB ao novo presidente e pessedebistas ocuparam ministérios.  Entretanto, eis que no meio do caminho surgiu a delação de Joesley Batista, presidente da JBS, com suas gravações, que ocasionou grandes estragos na imagem já desgastada de Michel Temer e Aécio Neves.

Se Aécio tinha algum capital político, tendo em vista a falta de confiança geral da população na classe política, este foi derrubado pela delação da JBS pois, para uma parte representativa do seu eleitorado, não era possível acreditar que o dinheiro solicitado ao empresário fosse apenas um "empréstimo" de Joesley Batista ao então presidente do PSDB. 
Afinal, por que acreditar nas demais delações e não nesta que tem fita, fotografias e testemunhas da transação? 

Aécio foi tirado da presidência do partido, apesar de muita resistência de sua parte e confrontos públicos com outros membros da legenda, como o senador Tasso Jereissati (CE). Por seu lado, Temer conseguiu resistir aos pedidos de abertura de impeachment contra ele, uma resistência baseada na negociação de cargos e emendas parlamentares. Entretanto, registra-se índices de desaprovação crescentes do seu governo pois, mesmo com o controle da inflação e lenta retomada do desenvolvimento econômico, o desemprego não diminuiu.  

Assim, podemos nos perguntar, como ficou a cabeça do eleitorado do PSDB quando as pesquisas de intenção de voto mostravam que a preferência do eleitorado direcionava-se para Lula, mesmo com processos na Operação Lava-Jato e preso? É neste processo que insiro o surgimento do que resolvi denominar de "coxinha pistola", que resolveu radicalizar à direita e apoiar o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, em detrimento ao candidato oficial do PSDB, Geraldo Alckmin, também presidente do partido. Este é o  novo racha, dos muitos que o partido acumula em sua história. 

O "coxinha pistola" é, acima de tudo, um anti-PT que, tem todas as possibilidades de ser novamente frustrado em suas ambições de eleger o presidente da república, pois Bolsonaro é um candidato com alto índice de rejeição, conforme apontam as pesquisas de diferentes institutos. Até o dia de hoje (29/09), os levantamentos indicam a ida dos dois extremos para o segundo turno: Haddad (PT) e Bolsonaro (PSL), com vitória do primeiro.  Assim, mais um candidato que não consegue vencer o PT nas urnas, mesmo com a rejeição que o petista tem por parte dos eleitores. Bolsonaro ainda procura manter este apoio antipetista com novas estratégias, mas falar disso é outra história.

Quero só fechar o post, trazendo à baila a crise do PSDB, com a parte que já está migrando seu apoio e voto ao Bolsonaro, com atestam várias matérias na imprensa, com alguns destes sendo tratados como traidores do legado partidário pessedebista baseado na social-democracia. Aproveito para lançar algumas questões: será que o partido não falhou em explicar ao eleitor o que a social-democracia por oferecer-lhe? Será que o eleitor brasileiro já  não está cansado das críticas ao PT como estratégia de campanha? Será que o PSDB sabe quem é o seu eleitor e se este está mais identificado com os ideais da esquerda ou da direita? Em qual espectro ideológico o PSDB vai se posicionar, se e quando a reforma política ocorrer? 

Matérias na imprensa apontam ainda que o senador Cássio da Cunha Lima (PSDB - PB) não perde um oportunidade de anunciar o racha do PSDB e, pelo que parece, se esforça para que este ocorra, conforme podemos ver nesta matéria de 2010, 2017 e de 2018, onde ele criticou a estratégia de Alckmin de atacar Bolsonaro na campanha eleitoral. Foram vãos os esforços vãos de FHC em unir os candidatos do centro em torno do partido.  Do outro lado, os diretórios regionais tentam "salvar" as candidaturas locais, apoiando os extremos e tentando agradar o "coxinha-pistola" que é eleitor de Bolsonaro. Continuaremos a acompanhar o desenrolar da eleição presidencial, para o congresso e governos estaduais de 2018 na qual, podemos aventar a hipótese, o PSDB se tornou coadjuvante ao lado do MDB.  


 
 


segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Marketing social: Bimbo irá doar 1,4 milhão de fatias de pão para bancos de alimentos de 23 países.


Aconteceu neste domingo (23/09) a Global Energy Race, corrida de rua promovida pela Bimbo Brasil que irá doar 1,4 milhão de fatias de pão para bancos de alimentos de 23 países. Isso equivale a 70 mil pacotes de pão de forma. Esse montante foi conquistado pelos mais de 110 mil corredores que, juntos, percorrem 700 mil quilômetros na manhã de ontem, com corridas que ocorreram em 35 cidades de 23 países. 

Nessa corrida, para cada quilômetro percorrido por participante no mundo, o Grupo Bimbo doaria 2 fatias de pão. No Brasil, as doações serão feitas pela Bimbo Brasil para a ONG Banco de Alimentos (SP) e a Organização Social Refettorio Gastromotiva (RJ).

sábado, 22 de setembro de 2018

Antipetismo não é suficiente para ganhar eleição para presidente do Brasil

Resolvi escrever este texto com base no que tanto leio nas redes sociais, nos jornais, ouço em programas de TV e rádio (a maioria disponibilizada no YouTube) e tenho estudado. São tantas análises e prognósticos sobre os rumos da eleição para presidente em 2018 que deixam qualquer ser humano enlouquecido, especialmente após cada divulgação das pesquisas de intenção de voto, nas quais Lula (PT) e Bolsonaro (PSL) ocupavam as duas primeiras posições respectivamente, até a impugnação da candidatura de Lula e a oficialização da chapa com Fernando Haddad (PT) e Manuela D´Ávila (PCdoB).  

Com Haddad como candidato oficial, a ordem se inverteu, mas eles são os dois políticos que, hoje, representam a polarização política no País, na qual Bolsonaro passou a ocupar o lugar que nos últimos anos era do PSDB. Mas, será que esta mudança foi a melhor para o país? Será que foi a estratégia adequada para quem quer tirar o PT do poder, depois deles ganharem 4 eleições consecutivas desde 2002? Arrisco-me a dizer que não e quero  apresentar meus argumentos.

Bolsonaro se posicionou como um candidato da Direita, atraindo eleitores mais conservadores (alguns mais extremistas), os "cidadãos do bem", evocando Deus, a defesa da família, a liberação do porte de arma e uma política econômica liberal, a ser garantida pelo seu futuro ministro da economia Paulo "Posto Ipiranga" Guedes. Ele tem deixado de lado políticas de inclusão dos afrodescendentes e para as mulheres e, principalmente, deixa um vácuo marcado pelo desconhecimento de seus programas de justiça social, de redução da pobreza e da desigualdade, de moradia etc. 

A campanha bolsonarista foca bastante em um sentimento antipetista, exemplificada em sua frase "fuzilar a petralhada do Acre" , que pode ser um dos fatores que estimulou a facada que ele recebeu durante comício em Juiz de Fora (MG) logo depois. Por outro lado, este candidato tem o apoio de ruralistas, de empresários, de associações ligadas as armas, criando a versão tropical de Trump, com intenso apoio nas redes sociais e na produção de fake news, como os vídeos falsos nos quais personalidades como Pe. Marcelo Rossi, o jornalista Arnaldo Jabor e a atriz Fernanda Montenegro estariam apoiando-o, que são desmentidos na sequência pelos próprios personagens.

Entretanto, essa indignação antipetista de Bolsonaro e de seus apoiadores não é nova nos pleitos eleitorais à presidência. Vem sendo usada pelo PSDB e outros adversários de Lula e de seus candidatos, sem sucesso. Documentei isso na eleição de 2014, quando analisei os debates eleitorais entre Dilma (PT) e Aécio (PSDB), quando este atacou sua opositora o tempo inteiro, mas mesmo assim perdeu. O legado dos programas sociais de Lula continuam, eleição após eleição, convencendo um percentual representativo da população - aquela sem renda, sem perspectiva, que não participa das redes sociais e precisa de atenção. 

O PT ainda tem um legado, mesmo que os escândalos de corrupção o tenham abalado, e para enfraquecê-lo mais um pouco,  considero que  a "bala" de Bolsonaro não será suficiente, pois o candidato não tem qualquer diálogo com esta população mais necessitada e que vota, além de ter uma rejeição significativa junto a uma importante parcela da população homossexual,  das mulheres e dos afrodescendentes.  E, quem votou no PT e não quer mais votar nele, não vai migrar para Bolsonaro, vai para Ciro ou Marina. E se precisar, votará contra ele. Na batalha de "salvadores da pátria" entre a personalidade de Bolsonaro e a de Lula, representada por Haddad, o segundo tem mais história e representatividade, mesmo preso.  Se os candidatos do PSDB nunca ganharam as mais recentes eleições presidenciais, por que um candidato tão polarizante e rejeitado seria capaz de fazer isso agora, especialmente sem um programa e sem uma trajetória política de sucesso? 

Na polarização Bolsonaro contra Haddad/Lula/PT, este primeiro não tem qualquer legado ou realizações para defender e oferecer à população, muito menos programa. Arrisco dizer que ruralistas, empresários e banqueiros que o apoiam quiseram impor uma guinada à direita muito grande na gestão federal, mas creio que apostaram em uma estratégia errada. Poderia ter sido muito mais "produtivo", caso a meta seja tirar o PT do poder, ter escolhido um candidato mais de centro, que tivesse mais carisma, menos rejeição e mais propensão para o diálogo e respeito, com uma mensagem positiva. 

Faltando 2 semanas para a votação, parece bem tarde para uma união dos candidatos de centro-esquerda e centro-direita a fim de apresentarem uma terceira via, ideia proposta por FHC em carta e que está sendo discutida por grupos de empresários. Não dá mais para ter uma chapa que combine dois dentre eles - Ciro (PDT), Alckmin (PDSB) e Marina (REDE), como uma alternativa viável ao petismo e ao bolsonarismo. 

Saindo da disputa entre Bolsonaro e Haddad, temos uma fragmentação de candidatos que mais se canibalizam do que se ajudam. São 13 disputantes, quantidade menor que o número recorde de 22 candidaturas em 1989, mas mesmo assim eles dividem as preferências do eleitor. Em 2014, por exemplo, foram apenas 3 candidaturas que se destacaram (Dilma, Aécio e Marina) que concentraram 97% dos votos válidos no primeiro turno. Teve segundo turno mesmo com Dilma tendo chegado a 41% dos votos válidos, com mais de 43 milhões de votos, o que deve ser impossível a qualquer candidato alcançar em 2018.  

Não tenho bola de cristal ou li as cartas, mas vou arriscar aqui uma aposta: a chapa Haddad (PT) e Manuela (PCdoB) leva essa eleição no segundo turno se a disputa for com Bolsonaro (PSL). E, depois disso, quem quiser derrotar o PT, vai ter um novo ciclo de 4 anos para aprender com os erros e acompanhar os acontecimentos que estão por vir.  E eu planejo continuar estudando  política e comunicação eleitoral. Se outro candidato chegar ao segundo turno junto com Haddad, cabe nova análise, mas pondero que este disputante deve estar ainda próximo do espectro da esquerda, como Ciro Gomes (PDT). O que nos falta ainda é um candidato que represente e transmita uma mensagem de esperança, pois as campanhas eleitorais, com tantas críticas, só trazem desalento aos já desencantados brasileiros.
   
É evidente que neste texto não é possível ponderar todos os fatores intervenientes e a análise aqui expressa não tem a pretensão de ser um artigo acadêmico, mas representa a opinião de quem está acompanhando a disputa, procurando entendê-la frente a fatos e dados históricos. 
           
       

terça-feira, 18 de setembro de 2018

Atriz Cláudia Mauro participa de campanha para recrutar novos voluntários para o CVV

A Campanha Falar Abertamente pode salvar vidas, uma ação da Plataforma digital Abertamente, da FQM Farma, em apoio ao Centro de Valorização da Vida (CVV), ganhou a participação de mais uma celebridade. Desta vez, a contribuição foi da atriz Cláudia Mauro que gravou um novo vídeo, se solidarizando com a causa e explicando como as pessoas podem participar,  que pode ser acessado pelo link abaixo: 

https://www.facebook.com/abertamente.saudemental/videos/468868086949378/ 

“O CVV faz um trabalho extremamente importante de apoio emocional e prevenção ao suicídio. Atendendo gratuitamente as pessoas que querem e precisam conversar, sem julgamento e mantendo o total sigilo. Seja por telefone, por e-mail ou por chat 24 horas, diariamente. São mais de dois milhões de atendimentos anuais realizados por voluntários. Cada ano, mais pessoas solicitam esses atendimentos. Por isso, o CVV precisa aumentar a quantidade de voluntários”, enfatiza Cláudia.

Para se candidatar ao voluntariado, não é necessário ter uma formação específica. Basta ter mais de 18 anos de idade, tempo disponível para os plantões semanais e vontade de conversar com pessoas desconhecidas sem pré-conceitos, críticas ou aconselhamentos.

Esta campanha faz parte das ações do CVV no mês de setembro, considerado mundialmente como o mês de combate ao suicídio. Segundo o Ministério da Saúde, ocorrem mais de 11 mil suicídios ao ano no país (são em média 32 ao dia ou 1 a cada 45 minutos).

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Conheça a franquia de bolos artesanais Bolo da Madre

O mercado de bolos caseiros teve um boom no número de redes faz alguns anos (por volta de 2014/2015) . Mas, mesmo com um ritmo menor de novas marcas, atualmente, o segmento continua atraente para os investidores e empreendedores, pois as guloseimas fazem parte do dia a dia dos brasileiros, seja para uma festa, sobremesa ou para o café. 

Nesse setor, um das redes de franchising que busca seu espaço é a Bolo da Madre, que tem o intuito de promover uma saborosa experiência de saborear um bolo de forma aconchegante, sem perder a essência: produzir deliciosas receitas que remetem à infância. 


A Bolo da Madre nasceu, em 2013, da vontade das sócias Daniela Pelipas e Fernanda Castanheda de resgatar essa memória afetiva que marcou a suas infâncias. Elas acreditam que o conforto de uma xícara de café e de um bolo de “vó” promovem encontros gostosos, pausas vagarosas, histórias, alegrias e fortalecem as relações humanas.

O foco de expansão da franquia está centrado para a expansão nos cinco estados onde já existem unidades, visando maior representatividades, consequente, fortalecimento da marca. São eles: São Paulo, a principal região, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais e Goiás. . Entretanto, a franqueadora não planeja limitar a expansão a nenhum estado, estando todo o Brasil apto a receber uma unidade da Bolo da Madre, uma vez que o modelo de negócio é bastante abrangente.

O investimento inicial é a partir de 199.000,00, para uma loja de 50m2, com taxa de franquia 49.000,00. Quanto aso royalties, no primeiro ano, ele é progressivo, de acordo com o faturamento da loja, isto para ajudar o franqueado em seu início. A partir do segundo ano passa a ser de 5% fixo. Recentemente, a rede inaugurou unidades no Bairro do Portal do Morumbi (São Paulo) e São José dos Campos (SP).

Red Velvet

No cardápio serão mais de 40 bolos, com valores a partir de R$18,00* – tamanho grande; ou R$12,00 – menor. Entre as opções, bolos simples para as melhores lembranças da infância, recheados, vegano, opções salgadas (pão de queijo e salgado de ervas) e receitas inspiradas na culinária estrangeira como os lançamentos Red Velvet (R$55,00) e o Cenoura Americano (R$79,00).  Confesso que me interessei em escrever quando vi a foto do Red 
Velvet, que que fiz questão de comprar e é realmente divino.


Mais informações: http://www.bolodamadre.com.br/

* (preços de setembro de 2018)


sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Feira de recrutamento de estudantes de comunicação terá a participação de 19 empresas




Acontecerá em 28 e 29 de agosto a 4ª edição da feira de recrutamento Matraca para estudantes, a primeira voltada apenas para alunos de Comunicação do Brasil. O evento será realizado no Centro de Difusão Internacional da Universidade de São Paulo (ECA USP), das 12h às 21h, com a participação de 19 empresas e 12 apoiadores. Para se inscrever, basta preencher o formulário disponibilizado no site www.feiramatraca.com.br e levar 1 kg de alimento não perecível para doação.



Estarão presentes no encontro as empresas 1927, AlmapBBDO, Blinks, BTC, Grupo CDI, Content House, Facebook, Think EVA, GVA, Google, Ideal HKS, Jussi, MindMiners, Mutato, Nestlé, Nubank, RMA e Stilingue. O fornecimento de brindes ficará por conta da Caixa Belas Artes, Companhia das Letras, Dobra, EcoBags Brasil, Pinati, Puraqua, Refrigerante Gloops, Roots To Go, Teatro Gazeta, Trento e Vult.

O público que comparecer ao local, estimado em 1,8 mil universitários, segundo a expectativa da organização, poderá se informar sobre as oportunidades de estágio diretamente nos estandes de recrutamento das empresas. Haverá também palestras, lounges e workshops que visam promover o diálogo direto entre o público e as companhias, com conteúdos exclusivos e interativos acerca dos novos rumos da comunicação. Entre os temas que serão debatidos, estão: Benchmark internacional nas redes sociais; Conexão entre marcas e pessoas; Papel do feminismo nas novas dinâmicas entre mulheres e marcas; e Pesquisa digital.

Para mais informações, acesse a página www.feiramatraca.com.br.

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Com presidenciáveis, evento discute tecnologia e inovação no setor público nos dias 06 e 07/08


Alckmin, Amoêdo e Marina são presenças confirmadas no GovTech Brasil, que será transmitido ao vivo pela internet; co-fundador do Waze e ex-presidente da Estônia também estão entre os palestrantes

O Brasil passa por um momento importante, no qual a população reflete e repensa a política nacional, assim como a forma de se relacionar com o setor público. Neste contexto, o BrazilLAB, em parceria com o Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio - ITS Rio, realizará nos dias 6 e 7 de agosto no Tivoli Mofarrej, em São Paulo, o GovTech Brasil, evento que tem como objetivo contribuir para uma agenda de inovação e tecnologia para governos no país. Além de palestras com especialistas nacionais e internacionais, o encontro receberá pré-candidatos à Presidência da República para uma mesa sobre a pauta de inovação para os próximos quatro anos. As atividades serão transmitidas ao vivo na íntegra pela internet.

Em um mundo cada vez mais digital, o BrazilLAB, o ITS Rio e seus parceiros querem trazer para o debate o conceito govtech, ou seja, tecnologia e inovação para governos, a fim de tornar o setor público mais eficaz e menos oneroso. De acordo com levantamento do Banco Mundial, os brasileiros gastam quase 2 mil horas – cerca de 88 dias por ano – só para lidar com a burocracia. “As novas tecnologias, além de agilizarem processos, também podem ser utilizadas para aumentar a transparência e abrir caminho para maior participação da sociedade na construção de políticas públicas”, afirma Letícia Piccolotto Ferreira, fundadora do BrazilLAB.



São esperados mais de 400 participantes de 10 países diferentes. Serão 20 palestrantes nacionais – entre os quais estão o Ministro de Segurança Pública, Raul Jungmann, e o ex-presidente do Banco Central do Brasil Armínio Fraga – e 16 internacionais ligados tanto a setores da sociedade civil quanto à administração pública. Um deles é Toomas Hendrik Ilves, que entre 2006 e 2016 ocupou o cargo de presidente da Estônia – um dos países mais digitais do mundo, onde a relação entre população e governo ocorre principalmente em plataformas online, e processos como a abertura de uma empresa levam apenas 15 minutos. Uri Levine, co-fundador do Waze, também estará presente.

O primeiro dia de evento abordará experiências bem-sucedidas de outros países - além de Toomas Hendrik Ilves, confirmaram presença nomes como José Clastornik, diretor da Agência de Governo Eletrônico e Sociedade da Informação do Uruguai, e Heidi Bernet, ex-vice-ministra de Avaliação Social do Ministério de Desenvolvimento Social do Chile. Já o segundo dia, com grandes nomes que fazem ou já fizeram parte de governos no Brasil, discutirá o cenário atual do país e buscará propor uma agenda digital para que haja avanços na área.

“Queremos mostrar como os outros países estão utilizando a tecnologia nas suas gestões e debater com especialistas brasileiros quais as soluções mais viáveis para a nossa realidade”, explica Letícia Piccolotto, que também é uma das curadoras do evento, junto com o empresário e apresentador Luciano Huck e o diretor do ITS Rio, Ronaldo Lemos.

“Governos estão se tornando plataformas tecnológicas. Além disso, a tecnologia é a inimiga número um da burocracia. Daí a importância do evento: mostrar o caminho para que o Brasil possa construir um governo digital: simples, eficiente e transparente”, afirma Ronaldo Lemos.

O evento será transmitido ao vivo, pelos canais dos organizadores no YouTube (BrazilLAB e ITS Rio) e poderá receber perguntas e interações do público por meio de um aplicativo desenvolvido especialmente para acompanhar a programação. Mais informações podem ser encontradas no site http://govtechbrasil.org.br.

Presidenciáveis discutem visão 2019-2022

O GovTech convidou pré-candidatos à presidência para encerrarem o evento com a mesa “Visão 2019-2022”, que terá como tema a pauta de inovação para os próximos 4 anos. Geraldo Alckmin (PSDB), João Amoêdo (Novo) e Marina Silva (Rede) são nomes já confirmados. 

“No final do evento, queremos elaborar um documento com as principais propostas de soluções viáveis para que o Brasil reduza o custo das burocracias e se torne um país mais moderno e ágil nos processos”, afirma Letícia Piccolotto.

O “GovTech: Construindo uma agenda digital para o setor público” é patrocinado pela Fundação BRAVA, Banco Itaú, Fundação Lemann, Grupo Boticário, Instituto Humanize, Magazine Luiza, Stone e Gol.



terça-feira, 31 de julho de 2018

EXAME CEO reúne líderes para discutir melhores práticas nos negócios no dia 15/08

EXAME, marca editorial do Grupo Abril e líder no segmento de Economia e Negócios, vai realizar em São Paulo a 2ª edição do Encontro EXAME CEO com o tema “Estratégias para crescer e criar valor na economia em transição”. O evento, agendado para a manhã de 15 de agosto no Instituto Tomie Ohtake, no bairro de Pinheiros, reunirá líderes de grandes empresas para falar sobre como se mantiveram com resultados positivos mesmo num cenário de turbulências na política e na economia, e comentar as práticas que funcionam bem nas suas empresas.



A abertura do encontro será realizada por André Lahóz Mendonça de Barros, diretor editorial do Grupo Exame. Entre os convidados já confirmados para as atividades estão Stelleo Tolda, sócio e COO do Mercado Livre, que palestrará sobre a trajetória de sucesso da empresa; Guilherme Melo, presidente da MRS Logística, e Ogari Pacheco, presidente do Laboratório Cristália, participantes confirmados para o painel “Histórias de Empresas Vencedoras”; e Christopher Garman, diretor da consultoria Eurasia, responsável pela palestra “Cenário Político-Econômico – As eleições de 2018”. 

Para compra de ingressos e consulta à programação completa (que se mantém atualizada conforme os convidados confirmam presença), acesse www.exame.abril.com.br/eventos/encontro-de-ceos/


Serviço 

Encontro EXAME CEO 
Patrocínio: SESI e Accenture 
Data: 15/08/18 
Horário: das 8h às 12h30 
Local: Instituto Tomie Ohtake – Rua Coropé, 88 – Pinheiros SP



segunda-feira, 30 de julho de 2018

Como saber se o seu negócio é um sucesso?

Uma recente discussão que acompanhei em um grupo no Facebook é a fonte de inspiração para este post, que busca apresentar respostas para uma pergunta: como saber se o seu negócio é um sucesso? Parto do princípio que existem diferentes parâmetros para avaliar o sucesso de um empreendimento. No mercado de livros, por exemplo, ser um best seller é um sinal de bons resultados, que pode estimular vendas de outras obras de um mesmo autor e fazer com que a história se transforme em peça de teatro, novela ou filme, por exemplo. 

Então, volto à questão: como saber se o seu negócio é um sucesso? Sucesso, em minha avaliação, não é um conceito absoluto. Na busca incessante por ele, podemos perceber sua flexibilidade. Não quero entrar na discussão de ser bem-sucedida na vida pessoal ou profissional, mas focar no aspecto de negócio, de ter bom desempenho à frente de uma empresa.  

Ter fila na porta da loja é sinal de sucesso? Vai depender, ou seja, é relativo. A fila é em função de alta procura ou de falhas no atendimento? Sempre me lembro dos truques das casas noturnas (danceterias ou baladas, caso prefira esses termos), onde os donos deixavam formar fila na porta para transmitir a ideia de que o local estava "bombando" (ou lacrando), quando na realidade a casa estava vazia e a fila servia como um chamariz, uma "isca" para atrair quem é louco por lugares concorridos. 



O sucesso pode ser avaliado por parâmetros internos ou externos. Em uma loja, por exemplo, o proprietário pode ter metas de vendas que são rapidamente alcançadas, o que é sinal de boa performance. Por outro lado, os números podem estar abaixo de outras unidades com o mesmo perfil de público ou quando se compara com a concorrência.

Na maior parte dos casos, o êxito de um negócio é avaliado a partir da conjugação de vários aspectos da gestão: como está o retorno do investimento, a margem de lucro, as metas de vendas (volume e valor), a taxa de recompra, a evolução, o desempenho da concorrência e do mercado como um todo, a satisfação do consumidor etc.

Não faltam gurus no mercado prontos para revelar os segredos do sucesso, seja gratuitamente ou cobrando pela consultoria, palestra, livro ou curso. Consideramos que o êxito empresarial leva um tempo para ser conquistado, pois um empreendimento pode começar com muito ímpeto, mas não manter o ritmo inicial.  

A bolha da internet, na década de 90, é um exemplo de grande aposta dos investidores em vários negócios, que depois faliram, entretanto, anos depois, o setor se consolidou. A primeira onda dos sorvetes de iogurte, nesta mesma época, traz a mente a lembrança de negócios que fracassaram, mas conseguiram voltar ao mercado e dar certo depois.  

Como saber se o seu negócio é um sucesso? Avalie os aspectos que relacionei acima, as suas expectativas e, principalmente, o retorno frente aos valores investidos. Lembrando que só conquistar visibilidade e imagem não sustentam o sucesso de uma empresa. Basta rememorar o exemplo recente das paletas mexicanas, um segmento que teve um boom, mas saturou, a maior parte das lojas franqueadas fecharam. Me arrisco a dizer que cada empreendedor terá de encontrar a sua própria fórmula de sucesso, que traz entre os ingredientes: trabalho, conhecimento, planejamento, marketing, pessoas e dedicação.
  

quinta-feira, 19 de julho de 2018

Apresento-lhe a franquia de produtos de beleza Yes! Cosmetics

O mercado de beleza é um dos mais importantes no segmento das franquias, no qual podemos destacar o Grupo Boticário, com marcas como O Boticário e Quem disse, Berenice?. Entretanto, várias outras empresas buscam seu "lugar ao sol" no setor, como a marca de cosméticos Yes! Cosmetics que entrou nesta disputa em 2016. 



Segundo Felipe Espinheira, vice-presidente da marca, a Yes! Cosmetics já tem mais de 60 unidades franqueadas em apenas dois anos no segmento de franchising, tendo sido eleita também umas das melhores franquias para se investir, chancelada pela Revista Pequenas Empresas Grandes Negócios. Sua linha de produtos é formada por cerca de 300 itens, entre perfumaria, produtos de higiene pessoal, hidratantes corporais, maquiagens e acessórios, além de uma linha exclusiva com a apresentadora Sabrina Sato.

O modelo de negócios oferece dois formatos: loja ou quiosque. As unidades franqueadas atuais estão localizadas nos seguintes municípios: Rio de Janeiro (RJ); São Paulo, Bauru, Santos, Marília e Limeira (SP); Brasília (DF); Florianópolis, Balneário Camboriú e Itajaí (SC); Maceió (AL); Aracaju (SE); Natal (RN); Salvador e Feira de Santana (BA); João Pessoa (PB); Teresina (PI); Recife, Goiana, Garanhuns e Petrolina (PE); Belém (PA); Manaus (AM); Fortaleza (CE); Porto Alegre (RS); Porto Velho (RO); Unaí (MG); Curitiba e Londrina (PR). além das 30 operações próprias em funcionamento. Até agosto deverão ser inauguradas lojas em São Luiz (MA), Jundiaí e Osasco (SP).

RAIO-X 

Data de fundação da marca - 2000 
Data de entrada no franchising - 2016 
Taxa de franquia - R$ 30.000 (Quiosque) R$ 40.000 (Loja) 
Capital de giro - R$ 20.000 (Quiosque) R$ 25.000 (Loja) 
Royalties - 30% do Sell-in 
Taxa de publicidade - 5% do Sell-out 
Faturamento médio mensal - R$ 60.000 
Prazo de retorno – de 18 a 24 meses (quiosque) e de 24 a 32 meses (loja)
Capital para instalação - R$ 72.500 (quiosque) e R$ 103.500 (loja - valor aproximado para 30m²) 
Áreas minima e máxima - 7m² (quiosque) e a partir de 20m² (loja)

quarta-feira, 18 de julho de 2018

TI: 10 cursos gratuitos para aprender com Google e Udacity


10 cursos gratuitos para aprender com Google e Udacity

Há opções online e em português em diversas áreas, como marketing digital, desenvolvimento mobile, deep learning e realidade virtual

Fonte: assessoria de imprensa da Udacity

Confira a seguir 10 cursos online, totalmente gratuitos e em português, lançados pela Udacity em parceria com o Google. Há opções em diversas áreas, como marketing digital, desenvolvimento de aplicativos mobile, deep learning e realidade virtual.

1) Introdução à Realidade Virtual (duração: 2 semanas)
O curso aborda os principais conceitos da tecnologia VR (virtual reality), passando por óptica, displays, estereopsia, rastreamento e plataformas de hardware. O aluno irá entender os princípios físicos de realidade virtual e utilizará este conhecimento para criar uma aplicação utilizando a ferramenta de desenvolvimento Unity.

2) Teste A/B (duração: 4 semanas)
Os testes A/B são experiências online utilizadas para verificar potenciais melhorias em um site ou aplicativo móvel a partir de duas versões diferentes exibidas a usuários (a original e a nova). O curso explica como realizar esses testes, definir métricas e analisar resultados, a fim de decidir se valerá a pena colocar no ar a mudança proposta com o teste.

3) Otimização de Performance de Website (duração: 1 semana)
O curso ensina como otimizar qualquer site para que ele seja rápido. Dentre as principais lições, o aluno aprenderá qual o conjunto de passos que os navegadores devem seguir para converter HTML, CSS e JavaScript em sites, além de explorar ferramentas para medir o desempenho de sites. Também serão abordadas estratégias para entregar os primeiros pixels para a tela o mais cedo possível.

4) Imagens Responsivas (duração: 2 semanas)
As imagens representam mais de 60% dos bytes necessários para carregar uma página web. Com este curso, você vai aprender como trabalhar com imagens na web moderna, de modo que suas imagens fiquem ótimas e carreguem rapidamente em qualquer dispositivo. Você também conseguirá desenvolver usando imagens que se adaptam e respondem a diferentes tamanhos de janela de exibição.

5) O que é localização (duração: 2 semanas)
Localização significa a tradução e adaptação de um produto ou serviço a um determinado idioma, cultura e mercado geográfico. Portanto, localizar significa mais do que apenas traduzir uma mensagem ou texto: trata-se de personalizar um produto inteiro para seus usuários, independentemente de onde eles estejam situados. O curso ensina os principais conceitos para executar bem esse processo.

O curso ensina quais são os fundamentos do web design responsivo. Você irá criar sua própria página web responsiva que funciona bem em qualquer dispositivo, como celular, tablet, desktop, etc. Para isso, você aprenderá como criar seu próprio layout responsivo usando media queries do CSS e a tag viewport, além de entender sobre otimização de texto para leitura.

7) Deep Learning (duração: 12 semanas)
A aprendizagem profunda (deep learning) é uma tecnologia que tem ganhado cada vez mais destaque no mercado e vem sendo adotada por grandes empresas como Google, Facebook, Amazon e IBM. Entre as principais aplicações, estão pesquisa e comandos por voz, reconhecimento e busca de imagem e ferramentas de tradução automática. O curso ensina como projetar sistemas inteligentes que aprendem a partir de conjuntos de dados complexos e/ou de grande escala. Você também aprenderá como treinar e otimizar redes de base neurais, redes neurais convolucionais e redes longas de memória de curto prazo.

Renderizar significa compilar e obter o produto final após um processamento digital qualquer. Os desenvolvedores web precisam construir aplicativos que reagem de forma rápida e renderizam suavemente. No curso, você conhecerá as ferramentas necessárias para analisar aplicativos e descobrir padrões que tornam mais fácil a construção de aplicações de alta performance.

As pessoas passam em média três horas por dia em frente à TV, gerando grandes oportunidades para quem trabalha com tecnologias relacionadas a ela. Com este curso, você aprenderá tudo o sobre o Google Cast e a Android TV — e como usá-los para oferecer aos usuários uma ótima experiência com o seu conteúdo.

Neste curso, você aprenderá como aplicar os princípios do Material Design — uma linguagem de design desenvolvida pela Google. São ensinados os conceitos básicos do design do Android para que você possa entender como criar e utilizar elementos como superfícies, transições e gráficos na sua aplicação de várias formas.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Ivete Sangalo é a estrela da nova campanha de Neosaldina®


Ela de novo! A cantora Ivete Sangalo é a estrela da nova campanha de Neosaldina®, marca especialista em dor de cabeça, da farmacêutica Takeda, que começou a ser veiculada no dia 15 de julho de 2018.

Com o slogan “Dor de cabeça? Nem pensar. Chamo a Neosa”, o filme publicitário mostra a rotina intensa da artista em três cenários: academia, estúdio e ambiente de show, e como ela faz para que uma dor de cabeça não atrapalhe seu ritmo de vida.  O off destaca os três princípios ativos que compõem o analgésico, que são Dipirona, Isometepteno e Cafeína.

A campanha, desenvolvida pela agência Artplan, será veiculada por 12 meses em spots de rádio e filmes de 30” e 15”, na TV aberta e na TV paga. A campanha também ganhará espaço nas plataformas digitais de Neosaldina®, como o Youtube e Facebook, e nos canais da Ivete Sangalo, com pílulas de conteúdo da cantora, contando sobre os desafios da sua rotina e a relação com a dor de cabeça. 

Não sabe que estrela usar na publicidade? Chama a Ivete!

terça-feira, 10 de julho de 2018

Vanish cria lavanderia exclusiva para a Cruz Vermelha de São Paulo para Campanha do Agasalho

Neste inverno, com o apoio dos seus consumidores, a marca Vanish, da Reckitt Benckiser, se uniu à Cruz Vermelha Brasileira – Filial de São Paulo para renovar 4 toneladas de roupas, doadas à campanha do agasalho da instituição, intitulada "Aqueça São Paulo". Constatado o volume de roupas recebidas manchadas e em mau estado, a marca montou uma lavanderia na sede da Cruz Vermelha de São Paulo, para garantir a recuperação e renovação dos itens doados. Na lavanderia, além de todos os produtos necessários para a limpeza que foram doados pela marca para uma lavagem perfeita, Vanish, com o apoio de Panasonic, equipou o espaço com máquinas lava e seca.


“Temos a meta de arrecadar este ano 13 toneladas, sendo que a maioria chega em bom estado. Porém, infelizmente é frequente a arrecadação de roupas sujas, manchadas ou danificadas, o que faz com que não consigamos doá-las diretamente para os beneficiados. Essas peças precisam ser direcionadas para instituições parceiras para o restauro dos itens, ou reaproveitamento dos tecidos para outras finalidades. Com a ajuda de Vanish trabalharemos para recuperar e renovar o maior volume de roupas, possibilitando que mais pessoas tenham peças bonitas e bem cuidadas para vestir”, explica Aline Gomes, gerente de projetos sociais e voluntariado da Cruz Vermelha Brasileira de São Paulo.

“Para nós é um prazer fazer parte de um projeto tão respeitado como a Campanha do Agasalho e ao lado de um parceiro como a Cruz Vermelha Brasileira de São Paulo. Nosso objetivo com a ação é recuperar e renovar 100% das roupas manchadas e garantir que todas as peças doadas sejam entregues limpas e sem manchas para as pessoas que participam dessa campanha. Desta forma, esperamos aumentar o número de pessoas que serão beneficiadas, trazendo a elas um inverno mais quente”, afirma Mônica Nascimento, Diretora de marketing da marca. 

“Ficamos felizes que, como parceiros de Vanish, unindo a qualidade da marca e de nossas lavadoras, possamos fazer parte desta jornada tão nobre, colaborando para que as pessoas passem pelo inverno com roupas dignas e limpas”, confirma Caio Marques, gerente de Marketing de Produtos da Panasonic Brasil, responsável pela doação das máquinas de lavar e secar que ajudarão a renovar os agasalhos. 

Além disso, o consumidor pode colaborar comprando Vanish no https://www.paodeacucar.com. Basta usar o código promocional VANISHECRUZVERMELHA ao final da compra para obter ter 20% de desconto em sua próxima compra de Vanish no site. Código intransferível e válido apenas para uma compra até 31/07/18.